Entrevista do Campeão Adriano Bastos Para o PodCorrer.com

Amigos Corredores,

Hoje tenho um post muito especial. Tenho certeza que todos vocês já participaram de pelo menos uma prova que tenha sido vencida pelo famoso Adriano Bastos. Pois bem, nosso campeão das maratonas deu uma entrevista exclusiva aqui para o PodCorrer.com, contando um pouco da sua carreira e dando algumas dicas para nós, corredores amadores iniciantes ou não. Aproveitem!

Adriano é Hexa Campeão na Maratona da Disney

Adriano é Hexa na Maratona da Disney

Adriano, um ex-atleta de Triatlo que virou maratonista, já venceu inúmeras corridas de rua e conquistou muitos títulos, destacando-se o hexa campeonato na Maratona da Disney (2003/05/06/07/08/09), bi campeonato da Maratona de Santa Catarina (2008 e 2009), bi campeonato da Meia Maratona de Buenos Aires (2007 e 2008),  e foi tri campeão do Circuito Corpore (2005, 2006 e 2007). Acompanhe os resultados do Adriano no site oficial.

Vamos a entrevista.

PodCorrer: Adriano, antes de mais nada muito obrigado por colaborar com o PodCorrer.com através desta entrevista. Como sabe, um dos nossos principais objetivos é dar dicas e orientações aos corredores iniciantes. Que conselhos você daria para quem está começando agora?

Adriano: Primeiramente que a pessoa procure uma assessoria esportiva ou um profissional de educação física que possa orientar este iniciante, nunca começar sozinho e sair inventando os próprios treinos, pois isto pode trazer sérios problemas à saúde e ao corpo. Respeite o limite do corpo, tenha paciência e espere que a melhora de performance venha com o tempo.

Adriano Vence a Corrida Avon 2008

Adriano Vence a Corrida Avon 2008

PodCorrer: Desde quando você se interessou por corridas? Como você acabou se dedicando a este esporte? 

Adriano: Comecei no atletismo quando tinha 12 anos de idade por incentivo de meus irmãos que já corriam. Certa vez eles foram participar de uma prova de 10 km e fui junto para assistir, chegando ao local descobrimos que ocorreria também uma corrida infantil de 3 km e que estavam fazendo inscrições na hora, então resolvi participar ficando em terceiro lugar sem nunca ter treinado antes. Empolguei-me e comecei a treinar, foram um ano e meio só correndo até eu conhecer o triathlon e perceber que era isto que eu queria. Pratiquei triathlon durante 8 anos onde obtive ótimos resultados, participei de 2 ironman e sempre tendo a corrida como meu ponto forte, tanto que eu sempre fazia a melhor corrida do geral, inclusive do profissional. Por este motivo no final de 1999 recebi o convite do Pão de Açúcar para integrar a equipe de atletismo deles, assim, em janeiro de 2000 eu assinei contrato com eles, abandonei completamente o triathlon e desde então tenho me dedicado somente ao atletismo como esporte, tendo a maratona como especialidade. No começo foi um pouco difícil por não estar acostumado a treinar só corrida todos os dias e também pela massa muscular que eu tinha devido a natação e o ciclismo. Com apenas 1 mês de treino especifico já fui o melhor brasileiro na maratona de Paris de 2000 com o tempo de 2h21min54seg., exatamente 7 minutos abaixo do meu melhor tempo em maratona quando praticava triathlon. Daí em diante os resultados foram aparecendo.

 

Adriano na Corrida Avon 2008

Adriano na Corrida Avon 2008

 

PodCorrer: Como é a sua rotina de treinos? Você considera a musculação importante no treino de um corredor?

Adriano: Treino sete dias por semana sendo ao todo 12 sessões de treinamento. De 2ª feira tenho um treino de ritmo pela manhã que varia entre 16 à 18km, às 3ª e 5ª feira pela manhã tenho treino de pista onde faço tiros de velocidade (400m, 600m, 1000m, 3000m, etc.) que variam a metragem de acordo com o objetivo. Ao todo, incluindo aquecimento, educativos, parte principal e desaquecimento estes treinos de pista dão em torno de 22 à 25km. De 4ª feira tenho apenas uma rodagem de 21km. Às 6ª feiras faço musculação pela manhã e corro mais 15km logo após. Aos sábados tenho um treino mais longo e único que varia de 25 à 30km e aos domingos uma rodagem leve de 10 à 12km. Quando participo de alguma prova no domingo, no sábado faço apenas uma rodagem leve de 40 minutos. Além destes treinos principais que acontecem sempre pela manhã, ao final da tarde, às 2ª, 3ª, 5ª e 6ª feira faço mais uma rodagem leve de 50 minutos que dá em torno de 12 a 13 km.

Adriano: Quanto a musculação a resposta é sim. Considero a musculação como algo de extrema importância para quem corre, primeiramente por ser um trabalho complementar a corrida que ajudará na prevenção de lesões, pois deixa a musculatura mais tonificada, forte e preparada para aguentar a carga dos treinos de corridas, principalmente com relação à absorção de impacto e segundo porque, tendo uma musculatura mais forte e resistente, ou seja, mais eficiente e com menos risco de lesão,automaticamente a pessoa conseguirá atingir uma performance maior na corrida e explorar mais de seu potencial nos treinos e competições. 

Adriano na Corrida GRAAC 2008

Adriano na Corrida GRAAC 2008

PodCorrer: Nós, corredores amadores, muitas vezes temos aquela aquela preguicinha de treinar e vamos faltando uns treinos. Você também sente isso? Como faz para manter a motivação? 

Adriano: Sim, também sinto. E digo que não são poucas as vezes. Principalmente quando tenho que sair para rodar o segundo período de treino do dia, a preguiça é enorme. Mas coloco na cabeça que se eu não treinar os meus adversários estarão treinando e melhorando. Penso também naquele pódio ou a próxima prova que terei como grande objetivo e relembro toda a sensação de ser visto e reconhecido pelo público ao vencer uma prova. Já me imagino vencendo esta próxima e isto faz com que eu tenha força de vontade e motivação para seguir adiante e não pular nenhum treino. Literalmente, sou movido pelo reconhecimento do público, não tem sensação melhor do que vencer uma prova e todo mundo ficar sabendo e me parabenizando. Isto me leva para frente, além,  é claro, de todo o incentivo de minha esposa que me ajuda bastante o tempo todo, principalmente quando estou desanimado. 

PodCorrer:  Você pratica outros esportes? Quais?

Adriano:  De vez em quando ainda dou umas pedaladas, mas muito raramente. Neste ano, por exemplo, devo ter subido na bike apenas umas 10 vezes. Quando pedalo é mais pensando nesta modalidade como um complemento e fortalecimento muscular para a corrida. Normalmente faço isso no meu período de base. 

PodCorrer: Você controla muito sua alimentação? Que tipo de dieta você leva?

Adriano: Na verdade não sigo nenhum tipo de dieta. Como de tudo e a todo momento. Inclusive as consideradas porcarias. Apenas evito frituras, em casa fazemos tudo assado ou grelhado, nada de fritura. Também me preocupo bastante com a hidratação e o consumo diário de carboidratos e proteínas, fundamentais para quem tem uma atividade intensa como eu. Ou seja, consumo tudo o que é correto, mas não dispenso as porcarias como os salgadinhos, bolachas recheadas, refrigerantes, cerveja, hambúrguer, etc. Afinal, sou normal como qualquer outra pessoa, apenas tenho uma genética favorável para correr bem. 

Adriano Vence a Reebok Night 10K 2008

Adriano Vence a Reebok Night 10K 2008

PodCorrer:  O que você curte fazer como lazer?

Adriano: Gosto de ficar em casa vendo televisão e filmes com minha esposa, jogar video game, ir a bons restaurantes e churrascarias com minha esposa ou então curtir um cinema com ela. Também gosto de mexer no jardim de casa, pois adoro plantas. De vez em quando apenas dormir e simplesmente não fazer nada.

PodCorrer: Você já participou de muitas provas no exterior onde o nível de qualidade de organização das provas costuma ser excepcional. Como você qualifica as organizações das provas brasileiras? Estamos no mesmo nível? O que falta? 

Adriano: Sem dúvida, na maioria das provas estamos no mesmo nível ou muito melhor quando se trata de provas menores (até 10 Km e algumas meias). Agora com relação as maratonas, ainda falta muito para o Brasil se igualar as maratonas internacionais. Começando pelos kits. Aqui no Brasil são uma vergonha. A camiseta é muito vagabunga. Que cobrem mais, mas ofereçam algo com qualidade. Lá fora os kits vem recheados de brindes e as camisetas são de excelente qualidade. As feiras de esporte na entrega dos kits lá de fora também são espetaculares e gigantescas. Você não sabe nem para onde ir de tanta coisa que tem para ver e comprar. A recepção na chegada também tem uma diferença gigantesca. Enquanto aqui dão aos concluíntes apenas água e um saquinho ridículo com uma maça, uma banana, um sanduíche (este quando dão) e um isotônico ou suco. Lá fora após completar as maratonas você encontra pela frente uma área de dispersão enorme, com todo tipo de comida imaginável, barras de carboidrato, proteína e cereais de todos os tipos, salgadinhos, bolachas, bebidas de vários tipos (isotônicos, refrigerantes, água, energéticos e etc).  E mesmo com tudo isso a disposição dos concluíntes, cada um ainda recebe um belo kit lanche com um sanduíche que chega a ser uma refeição e mais uma bag para você ir colocando dentro tudo que quiser pegar. E não falta nada até o último colocado completar a prova. Ainda existem áreas para os atletas descansarem antes de seguirem o caminho de casa ou do hotel. Isto foi o que eu presenciei na Disney, Nova Iorque e Paris que são as maratonas internacionais que já disputei. Enquanto isso, aqui você nem precisa ser o último para encontrar água morna na chegada e isso se ainda tiver. Os postos de hidratação de nossas maratonas também são bem deficientes. em relação aos postos das maratonas internacionais. Enquanto aqui você tem um espaço enorme entre cada posto e conta com apenas dois postos de isotonico (quando tem). No exterior você tem postos a cada 3 km e cada setor de hidratação chega a ter mais de cem metros de extensão, ou seja, não tem como passar reto sem conseguir pegar pelo menos um copinho. 

 

Adriano no Circuito das Estações 2008

Adriano no Circuito das Estações 2008

PodCorrer: Das provas que já participou qual ou quais são as mais insequecíveis? Qual foi a mais difícil?

Adriano: Tenho três inesqueciveis. Todas muito importantes. Não dá para dizer qual delas foi mais emocionante. A primeira foi a edição de 2005 da Maratona da Disney. Foi muito importante e emocionante para mim pelo fato de ser minha primeira maratona após a lesão que tive em 2004. Fiquei seis meses sem treinar e cheguei a pensar que nunca mais voltaria a correr. Esta prova com certeza foi meu retorno e a volta por cima de tudo que eu havia passado em 2004. Já na edição de 2006, quando venci pela terceira vez teve também um sabor muito especial. Foi a primeira vez que eu vencia lá com minha esposa junto assistindo e me esperando na chegada. Havia ficado um vazio em 2004, quando viajei com ela para lá, como convidados, e não corri. Foi como se eu estivesse dando um presente para ela, cruzar a linha de chegada em primeiro com ela ali me vendo. Já a terceira emoção vivenciei quando venci a Maratona de Curitiba em 2006. Sete anos antes, em 1999, quando eu ainda praticava triatlo, eu participei da Maratona de Curitiba e na época fui o quarto colocado em minha faixa etária, com 2h31min. Neste dia, o primeiro colocado de minha faixa etária havia feito 2h26min. e o campeão geral da prova 2h22min. Eu via estes tempos deste atletas como algo inatingível, pois eu sabia o quanto eu havia sofrido para fazer as 2h31min. Perguntava para mim mesmo. “Será que um dia consigo correr para isso?”. Achava um aburdo o tempo do primeiro colocado de minha faixa etária. E exatamente 7 anos depois, lá estava eu vencendo a mesma prova e com o tempo de 2h19min. Foi uma sensação incrível estar ali naquele momento cruzando a linha de chegada.

 

Adriano na Corrida WTC

Adriano na Corrida WTC

 
PodCorrer: Adriano, você já ganhou uma quantidade incrível de corridas e tem até um hexa-campeonato na Maratona da Disney. Quais são suas metas atuais? O que motiva os seus treinos hoje?

Adriano:  Tenho três metas principais. A primeira é conseguir prolongar minha carreira ao máximo. Ou seja, minha vida útil como atleta profissional até os meus 45 anos. Isto significa que serão mais 14 anos como profissional pela frente. Por isso mantenho um nível de treinamento e performance sempre no mesmo patamar há uns 5 anos. Quero apenas prolongar isso o máximo possível sem correr o risco de me machucar seriamente tentando marcas ou índices absurdos que fujam de minha realidade física. Isso acontece com muito atleta bom. O cara põe na cabeça que quer se classificar para um mundial de qualquer jeito, ou coisa do tipo. Treina como um louco, faz 2h12min na maratona e depois disto some das corridas por causa de uma monte de lesão que passou a ter em função deste desgaste. A segunda grande meta é chegar  minha décima vitória consecutiva na Disney, já foram seis. E a terceira, é a que considero a mais ambiciosa e provavelmente será a mais importante de todas. Quero estrear na Ultramaratona de Conrades em 2014, no sentido subindo, com o objetivo de vencer a prova ou pelo menos chegar entre os 10 primeiros colocados. Se conseguir eu serei o primeiro brasileiro na história desta prova a conseguir isso.

PodCorrer: Quais serão suas próximas competições agora?

Adriano: Pensando nas mais importantes, vou correr agora no dia 24 de Maio a Maratona de Porto Alegre. Será minha terceira maratona no ano. Depois, dia 28 de Junho, participarei da Maratona do Rio. Em Setembro, volto para a Meia Maratona de Buenos Aires para tentar a terceira vitória consecutiva. Uma semana depois participarei da Maratona de Foz e em Novembro da Maratona de Curitiba. Entre cada uma destas participarei das provas menores da Corpore, Estações e outras mais. Serão ao todo 6 maratonas neste ano. Alguns acham que sou louco, mas estou me recuperando bem de cada uma delas e já estou fazendo isso pensando na Conrades, afinal faltam apenas 5 anos.

 

Adriano Bastos na Maratona da Disney

Adriano Bastos na Maratona da Disney

 

 

PodCorrer: Você tem alguma superstição antes ou durante as corridas?

Adriano: Sim, sempre acendo uma vela antes de dormir na noite véspera da prova, pedindo proteção e para que dê tudo certo na prova e que não me aconteça nada de ruim. Se a prova for a noite, acendo a vela à tarde antes de ir para a prova. Me sinto mais fortalecido e confiante. Outra coisa que para mim é como se fosse um amuleto e nunca corro sem, seja em competição ou em treinos, são os óculos. Sem eles me sinto pelado e incomodado.

PodCorrer:  Você faz assessoria esportiva? Como os corredores podem lhe contactar para treinar com você?

Adriano:  Sim, eu e minha esposa, que também é formada em Educação Física, montamos juntos nossa assessoria esportiva. Oferecemos treinos de corrida, caminhada, triatlo e condicionamento físico geral. Ela leva o meu nome e se chama Adriano Bastos Treinamento Esportivo. Agora, no mês de Junho, ela já completará 2 anos de existência. Estamos hoje com 90 alunos muito satisfeitos com nosso trabalho. Aos pouquinhos estamos crescendo na dose certa, de forma que possamos dar conta daquilo que oferecemos. Sabemos nome e sobrenome de todos os alunos e com certeza isso ja faz uma enorme diferença para o aluno que tem a segurança de saber que seu treinador está por dentro de tudo que está acontecendo com ele, seja com relação aos treinos ou sobre seus problemas pessoais, pois de certa forma nos tornamos um pouco psicólogos deles. Quem quiser nos contatar é só acessar nosso site  www.adrianobastos.com.br/assessoria/ ou o meu site pessoal www.adrianobastos.com.br. Se preferir, enviar e-mail direto para contato@adrianobastos.com.br.

PodCorrer: Adriano, muito obrigado pela gentileza de responder as perguntas da entrevista. Desejo muita força nos treinos e sucesso cada vez maior nas competições. Estaremos torcendo por você nas provas.