Corrida de São Silvestre em Buenos Aires: Resultados

Isso mesmo, amigos corredores! Acabo de completar os 8 quilômetros da primeira edição da Corrida de São Silvestre de Buenos Aires, Argentina. Segundo o locutor oficial do evento, um dia histórico. Provavelmente o início de uma grande tradição aqui pelas terras portenhas.

Aproveito este momento histórico para retomar as atualizações aqui no PodCorrer. Fiquei três meses sem escrever!!! Foi o maior jejum do blog desde que ele foi criado, em 27 de maio de 2008. É como eu sempre digo. Criar um blog é a coisa mais fácil do mundo. O grande desafio é mantê-lo sempre atualizado e interessante.

Em setembro engajei-me em um novo projeto profissional que acabou consumindo todas minhas energias e horas disponíveis. Realmente ficou impossível manter a atualização rotineira do PodCorrer. Agora, uma das minhas resoluções de ano novo é justamente manter o blog em dia. Nesse período consegui manter os treinos dentro de um mínimo aceitável, e participei de algumas poucas corridas (Fila Night Run em Novembro e a Corrida de Natal da Corpore em Dezembro). Oportunamente vou fazer um post sobre essas provas.

Voltando a São Silvestre portenha. Minha grande frustração de passar o ano novo fora de São Paulo é de não poder participar da famosa e empolgante Corrida de São Silvestre. Participei da São Silvestre 2008 e gostei demais. De lá pra cá não tive oportunidade novamente. Neste ano já havia me programado para passar o Ano Novo aqui em Buenos Aires, pois tenho família aqui.

Medalha da Corrida de São Silvestre de Buenos Aires 2010

Medalha da Corrida de São Silvestre de Buenos Aires 2010

Eis que alguns meses antes de vir, meu primo me mandou um email comentando que haviam criado a São Silvestre de Buenos Aires. Puxa, era a ocasião perfeita para aproveitar a viagem e finalmente correr “por las viejas calles de Buenos Aires”. A outra única corrida que fiz aqui (os 10 Km de Buenos Aires em 2009) foi dentro do Parque Palermo.

Fortes na São Silvestre Buenos Aires 2010

Fortes na São Silvestre Buenos Aires 2010

A inscrição online foi fácil. Paguei com cartão de crédito e usei o número de RG brasileiro sem problema. O preço foi ótimo. Apenas 60 pesos argentinos, o que no câmbio atual equivale a pouco menos de R$ 28. Muito menos que a clássica corrida brasileira. O kit estava disponível nos dois dias que antecederam a corrida.

percurso sao silvestre buenos aires 2010

Percurso da Corrida de São Silvestre Buenos Aires 2010

Infelizmente meu primo ficou doente poucos dias antes da corrida e não pode participar. Fui com minha esposa e filha (a safadinha já está com dois anos agora e percorreu seus primeiros quilômetros no seu carrinho de bebê na Corrida Corpore de Natal – corri 2K com ela) em direção ao famoso Obelisco de Buenos Aires, onde estava montada a praça do evento. A largada e chegada aconteceu lá.

O calor estava forte, mais de 31ºC. Mas, felizmente, um vento forte e bem fresco ajudava a suportar o calor. A largada ocorreu na hora certa, as 16h00 local. Estimo que haviam entre 1500 a 2000 pessoas. A super larga Av. 9 de Julho acomodou confortavelmente essa pequena massa de corredores. Fiquei muito bem impressionado ao correr pela avenida mais famosa de Buenos Aires. Havia espaço de sobra. A organização da prova isolou as 14 pistas centrais da avenida, ainda deixando outras 8 disponíveis para o trânsito dos carros.

Fortes na São Silvestre Buenos Aires 2010

Fortes na São Silvestre Buenos Aires 2010

Não sei se existe outra avenida tão larga no mundo, mas sem dúvida essa é uma das mais largas. São quase mais de 100 metros de largura total, nos trechos mais largos.

O percurso teve duas pernas de pouco mais de 1K na 9 de Julho e depois entrou na Av. Yrigoyen e foi até o Palacio del Congresso de la Nación Argentina. De lá voltamos pela tradicional Av. de Mayo até a 9 de Julho novamente, onde percorremos uns 2.5 Km. Saímos a esquerda para a Av. Diagonal Norte e fomos para a sede do governo argentino, a Casa Rosada. Voltamos pela Av. de Mayo novamente e viramos a esquerda na 9 de Julho, finalizando o percurso após 400 m até o Obelisco.

Como não estou muito em forma e tenho tido um volume baixo de quilometragem semanal, resolvi fazer o percurso com média de 7 min/km. Comecei rápido demais, pois acompanhem o animo da galera. Percorri os 8 Km em 52’14″ (tempo não oficial), com média de 6’26″/Km. As parciais por Km foram:

KM 1: 5’57″ / KM 2: 6’15″ / KM 3: 6’06″ / KM 4: 6’47″ / KM 5: 6’47″ / KM 6: 6’56″ / KM 7: 7’19″ / KM 8: 6’06″

Não estou com meus recursos tecnológicos aqui durante a viagem (receptor do GPS Garmin para transferir os dados do relógio e nem com minha câmera fotografica para tirar fotos da medalha), mas publicarei o post com imagens e dados temporários. Depois atualizo com novos dados.

A organização só pecou em alguns detalhes. Acho que precisam acompanhar as corridas de São Paulo para melhorarem um par de coisas que deixariam a corrida perfeita.

  1. a água distribuida era a temperatura ambiente. ou seja, quente!! Não usaram gelo. Com o calor que fazia nas ruas isso realmente foi péssimo.
  2. a chegada é muito tumultuada. A distribuição de Gatorade se dava em uma fila única que se estendia até praticamente o arco de chegada, inclusive atrapalhando os corredores que chegam. Todas os demais produtos distribuidos: água, brindes (poucos – barrinhas e sucrilhos) eram em filas únicas. O ideia é usar portais múltiplos de distribuição, com várias filas. Isso distribui o fluxo melhor. A Corpore, por exemplo, faz isso sempre.
  3. o chip é foi fornecido com uma presilha plastica (aquelas de fixar fios) que impossibilita a retirada sem um alicate de corte. Isso obriga a organização a ter um monte de gente com alicates tirando os chips e trocando pelas medalhas. Tempo que se perde desnecessariamente. Basta fornecer presilhas como aquelas de amarrar saco de pão de forma.
  4. por fim, o trânsito não estava interrompido em algumas ruas transversais e os carros esperavam os corredores passar para atravessar. Um perigo desnecessário. É importante um isolamento adequado do trânsito.

No mais estava tudo ótimo. Adorei correr pelas ruas históricas de Buenos Aires. Apesar de estarem muito descuidadas ultimamente. Tenho percebido nos últimos anos uma deterioração enorme no estado de conservação da cidade. Mas sempre é um prazer estar por aqui. Juntar isso com o prazer da corrida foi ótimo para encerrar o ano.
FELIZ ANO NOVO!!!

Muitos KM de felicidades a todos em 2011!