Maratona Internacional de São Paulo 2013 (25K): Resultado

Consegui! Mais uma corrida concluída com sucesso! Completei a prova de 25 Km da XIX Maratona Internacional  de São Paulo, nesse domingo 6 de outubro de 2013. Mas tenho que dizer, essa foi sofrida.

Medalha Maratona SP 25K 2013

Medalha Maratona SP 25K 2013

Estou muito orgulhoso da façanha, pois essa é a maior distância que já fiz em corridas de rua. Como podem ver na minha lista de corridas e tempos, só fiz essa distância uma vez em maio de 2009 na prova Corpore 25K.

Naquela ocasião o percurso era plano, nas redondezas da USP, mas com 2 voltas no circuito de 12.5 Km, o que deixa um pouco chato e psicologicamente cansativo. Mas mesmo assim consegui concluir e levei 2h52m para concluir os 25K.

Só que de lá pra cá tive altos e baixos nos meus treinos de corrida e uma fase em que vinha correndo bem menos. Esse ano retomei com seriedade os treinos e já fiz oito provas, a maior parte de pequenas distâncias (5K) pois estou focado em acompanhar a Dani, minha esposa, que começou a correr recentemente.

Nessa retomada, já consegui em abril desse ano fazer a Meia Maratona Corpore com tempo de 2h18m e fiz várias corridas de 5K conseguindo meu recorde pessoal nessa distância com 25m09s na Corrida e Caminhada Contra o Câncer em agosto.
Maratona SP 25K 2013 Percurso

Maratona SP 25K 2013 Percurso

Em agosto fiz uma aposta com alguns amigos. Foi simples: a briga era pra ver quem corria a maior distância no mês de agosto. Quem perdesse pagava um jantar para os outros. Chamamos de Corrida Maluca e foi uma loucura, e zoamos muito uns aos outros via Facebook e Instagram (procure #corridamaluca e #desafiodeagosto).
Acabei correndo 219 Km em treinos e corridas no mês de agosto. Aproveitei esse embalo todo e me preparei para fazer os 25K da Maratona Internacional de SP. Queria muito participar dessa prova, pelo menos uma vez, para ver como é a estrutura de uma corrida que deveria ter nível internacional. Como não me sinto preparado para os 42K ainda, achei legal encarar meu segundo desafio de completar 25K.
Eu na largada da Maratona SP 2013

Eu na largada da Maratona SP 2013

Inscrição feita, kit na mão graças ao amigo Pedro que retirou pra mim e tudo pronto para a corrida. Tomei alguns cuidados extras na semana antes da prova. O principal: evitei bebidas alcoólicas nos 7 dias que antecederam a corrida. Fiz alimentação saudável e treinei com moderação (musculação, spinning e crossfit). Só que no domingo antes da corrida peguei uma gripe forte. Pensei que me tiraria as chances de participar dos 25K. Na segunda me cuidei bastante, na terça já voltei a treinar leve e fui melhorando dia a dia. Na sexta já estava seguro que conseguiria pelo menos tentar fazer os 25K. No sábado procurei me hidratar muito. Bebi água o tempo inteiro. Além disso, fiz uma alimentação rica em carboidratos, inclusive uma bela macarronada no sábado a noite.
Medalha Maratona SP 25K 2013

Medalha Maratona SP 25K 2013 

O kit, apesar de simples, tinha algumas coisas legais. A camiseta era Adidas e de boa qualidade. Sempre com aquele problema do GG ser pequeno demais, mas tudo bem. Meu primo agradece. Mais uma camiseta que ele vai ganhar. O que mais gostei é que a Yescom vem usando o chip descartável da “ChipTiming”. Isso facilita bem, é prático e o corredor perde menos tempo já que não precisa retirar o chip nos estandes antes da corrida. Espero que as demais corridas passem a usar o mesmo esquema em breve. 
 
Do ponto de vista de suplementação procurei me organizar também. Em provas acima de 10K o corredor precisa tomar bastante cuidado com a hidratação e com a suplementação para evitar perda de performance por causa da falta de água no corpo e por falta de energia. Meu plano era usar três sachês de carboidrato, um aos 5K, outro por volta do 14K e outro próximo aos 20K. Esse último seria um gel de carbo com um pouco de cafeína para dar uma energia no fim da prova (mesmo sabendo que cafeína pode ajudar na desidratação achei que valia a pena). Também usei uns comprimidos de Sais Eletrolíticos (SaltStick caps) que tem como objetivo repor as perdas dos sais durante a prova através da transpiração. Pensei em tomar dois antes da prova e outro depois do meio do percurso.
O clima de evento importante, internacional e de grande porte dá um incentivo adicional para nós corredores amadores. Nos dias anteriores a prova se viam comunicados de mudança de trânsito antecipando o grande evento. 
Eu na Maratona SP 2013 25K

Eu na Maratona SP 2013 25K

Acordei cedinho e fui para o Ibirapuera no domingo. A logistica seria complicada, pois na prova de 25K a chegada do percurso seria na USP, bem longe da largada. Sabia que a volta seria complicada. A Yescom informou que haveria um sistema de ônibus circulares gratuitos levando os corredores de volta para o Ibirapuera. Mas já imaginava que o serviço seria bem precário.
 
Logo que cheguei me coloquei na largada e percebi que a quantidade de corredores era imensa. Falaram em 30.000 participantes. Acho que a maior prova que já participei. Até a São Silvestre perdeu para essa. 
 
Largamos! Muita gente, mas nada de muvuca. A turba fluiu suavemente e aos poucos todos foram acertando o seu ritmo. Havia programado meu pacer no Garmin Forerunner 405 para fazer a corrida em ritmo de 6’24″/Km. Isso daria um tempo de prova de 2h40, treze minutos a menos que a na corrida de 2009. Era agressivo, mas se sentisse condições tentaria. Senão, focaria em terminar a prova do jeito que desse.
Maratona SP 2013 25K Frequencia e Altimetria

Maratona SP 2013 25K Frequencia e Altimetria

Estava me sentindo super bem na largada. Apesar do sol inesperado e a temperatura de 18 graus já na largada (a previsão dizia que seria 14C), e de ter errado totalmente na roupa, corri os primeiros quilômetros com muita tranquilidade, curtindo o trajeto que nos afastava do parque.
Primeira checada no Garmin e liguei o alerta. Estava correndo acima do ritmo proposto. Numa corrida longa, nunca se deve gastar energia desnecessariamente no início. Sempre é melhor fazer a corrida com final invertido, ou seja: corra mais lento na primeira metade e acelere na segunda metade. Você desgasta menos seu corpo e passa menor tempo da prova sob stress e sobrecarga.
Os primeiros 3 Kms havia rodado em 6’20″, 6’10″ e 6’14″. Tentei reduzir, mas a empolgação acaba te levando. Fechei o Km 4 com 6’14″ de novo. Ai puxei o freio de mão.  Comecei a rodar os Kms seguintes em torno dos 6’30″. Fui acompanhando a freqüência cardíaca e estava tudo sob controle. Até então conseguia manter abaixo dos 160 bpm.
Maratona SP 25K 2013 Cronometragem

Maratona SP 25K 2013 Cronometragem

O primeiro túnel já deu uma subidinha nos batimentos, mas ainda totalmente sob controle e abaixo da linha do cansaço que para mim costuma dar quando estou acima de 185 bpm.
No Km 5 passamos na frente do Parque do Povo depois de um passeio bem legal na Av. JK, bem larga e confortável para correr. No Km 6 tive a melhor sensação da corrida. Sentia-me em êxtase, super animado e feliz em estar correndo essa prova, passeando por ruas que em geral a gente não consegue correr por causa do tráfego de carros. O legal de corridas longas como a Maratona de São Paulo é que a organização precisa de muito espaço e percursos mais longos. Então não tem outro jeito. Tem-se que isolar grande parte da cidade e ai você, corredor, tem o prazer de fazer um turismo gostoso pelas ruas dessa cidade que tanto gosto. Enfim, estava me divertindo muito!
Passamos a torcida “contratada” e a bandinha de rock na frente do Shopping JK e mergulhamos na Marginal Pinheiros na contramão. Nessa altura saquei meu primeiro gel de carbo pra dar um gás. Nunca tinha corrido na Marginal. Também achei legal.
Em todo posto de abastecimento da Schin, eu pegava uma garrafinha, tomava uns 100 a 200 ml de água e usava o resto pra dar uma esfriada nos pulsos, pescoço e rosto. É importante usar os pontos de hidratação. Ainda mais com o sol e calor que estavam aumentando. Sinceramente, preferia que a largada fosse uma hora mais cedo. Muito melhor pra evitar o calor.
Do Km 5 ou 8 fiz parciais de 6’32, 6’34″, 6’37″, 6’28″. Bem dentro da média alvo. O percurso da Marginal foi legal, fresquinho e com sombra dos edifícios. Até que comecei a vislumbrar a gigantesca ponte estaiada. Muito bonita, mas certamente seria desgastante subi-la. Esse percurso era cheio de pontes e túneis. Realmente dispensáveis. A impressão é que foi diversão do cara que montou esse percurso. Fiquei curioso. Por onde subiu a ponte aquela turma que está descendo?
A resposta veio em minutos. Subida na Ponte Morumbi na contramão, passamos para o outro lado do Rio Pinheiros e entramos na Ponte Estaiada na contramão. Atravessamos quase toda, e uma curva fechadíssima a esquerda nos colocava na descida da ponte para voltar a Marginal.
Tudo isso só fez a frequencia cardíaca subir e o tempo piorar. Fechei o Km 9 em 6’42″, o Km 10 em 6’49″, o Km 11 em 6’48″. Já na Marginal de novo, voltando pelo caminho de vinda, fiz o Km 12 em 6’25″, Km 13 em 6’57″.
Agora estávamos na alça do Viaduto Cidade Jardim, para cruzar o rio mais uma vez. Saquei meu segundo sachê de carbo e continuei as hidratações. A partir daqui comecei a sentir o desgaste, calor e o rendimento caiu.
Foquei cada vez mais em mim mesmo, nas condições do corpo e na administração dos recursos. Aos 15 quilômetros começou a batalha para garantir que não pararia ou desistiria da prova. O Km 14 fiz em 6’40″, e o Km 15 no mesmo tempo. No Km 16 entramos na rua do Joquei e começamos a ir em direção a USP. Nessa altura cruzaram as líderes do feminino da Maratona. Impressionante a velocidade das moças!
Fechei o Km 16 com 6’53″ e o Km 17 fiz pela primeira vez acima de 7 minutos, em 7’04″. A coisa estava ficando feia. A diversão sumiu e cada vez mais foco em não quebrar. Já percebia que não seria possível fechar os 21K em tempo bom e muito menos bater o recorde pessoal dos 25K. O foco era terminar inteiro.
Não senti dor nenhuma durante a prova. Também nenhuma dificuldade cardiorespiratória. Parecia simplesmente que a minha energia estava diminuindo. Fadiga pura provavelmente. Era fato, havia começado rápido demais. Tenho que me lembrar disso para as próximas.
Quando fechei o Km 18 em 6’57″ estava chegando na porta da USP e ai percebi que teríamos que subir a Ponte Cidade Universitária, atravessar o rio de novo, passear quase até o Parque Villa Lobos e, pior, voltar tudo. Olhei a placa de 22K no outro lado da rua, pouco antes da entrada da USP. Ou seja, seria um passeio de 4Km pra voltar até ali, e com uma ponte no meio do caminho.
Gatorade em saquinho: uma boa novidade

Gatorade em saquinho: uma boa novidade

Lentamente atravessei a ponte, e contornei a Praça Panamericana. O Km 19 foram sofridos 7’33″ e finalmente chegou o posto de hidratação com Gatorade. E com uma novidade (pelo menos pra mim), agora em saquinho e não nos copinhos que praticamente te forçavam a parar para beber. Sorvi o líquido delicioso e geladinho dos dois saquinhos que me deram. Aquilo entrou como se fosse o espinafre do Popeye! Sentia-me revigorado. Aproveitei e já mandei bala no último gel de carbo, dessa vez aquele com cafeína.
Com determinação me propus a nem pensar em desistir. Agora só faltavam 5K. Só isso!! Fiz o Km 20 em 7’30″, o Km 21 em 7’31″ e o Km 22 com a ponte em 7’45″.
Agora era só entrar na USP e atravessar o campus pela rua da raia de remo, velha conhecida dos corredores de rua de SP, e em algum lugar lá no fim estaria a chegada!
Cada Km demorou horas para passar. Mas fiz o 23 em 7’25″, o 24 em 7’40 3 o derradeiro Km 25 em 7’35. Meu Garmin deu uma diferença mostrando que o percurso parecia ter 350m a mais, talvez por causa dos túneis onde não pega o GPS.
Nos últimos 200m ainda busquei energia lá do fundo e esbocei um tímido sprint. Pensei muito na turma que ainda iria continuar e fazer os 42K. Caramba, eu nem conseguia imaginar correr mais 1K sequer. Imagina mais 17!!
Atravessei a chegada super animado e feliz. Liguei em casa para contar sobre a conquista. Estava muito realizado. Voltei a correr os 25K. Consegui!! Sensação indescritível de auto-realização e de superação. Vale a pena o esforço todo. Sem dúvida.
Estava com muita sede. Peguei mais bebidas, a medalha e as frutas e fui ver como voltar para o Parque Ibirapuera. A fila era ridícula. O pessoal que pegou me falou que ficou 1h esperando. Absurdo!
Caminhei uns 40 min me afastando da Av. Politécnica e peguei um táxi até o Ibira.
Meu resultado ficou assim:
Tempo Líquido: 02:54:10
Número de Peito: 28238
Classificação Geral: 1851
Classificação Faixa: 284
Ritmo: 06:58 min/km

Se você correu e quer ver o seu resultado, visite o site oficial da Maratona de São Paulo 2013.

Se estiver procurando suas fotos veja também estes sites :

Se você está procurando uma corrida para participar, não deixe de conferir o Calendário 2013 de Corridas de Rua de São Paulo aqui no PodCorrer.
 

Corrida e Caminhada Contra o Câncer de Mama 2013 5K: Resultado

Amigos Corredores,

Este domingo participei de mais uma corridinha de 5K. Dessa vez foi a Corrida Contra o Câncer de Mama, organizado pela Yescom. O percurso foi nos arredores do Parque Ibirapuera aqui em São Paulo e a arena foi montada no pátio da Assembléia Legislativa.

 

Dessa vez minha fiel companheira, minha esposa Dani, não me acompanhou. Na época da inscrição ela estava sentindo algumas dores no joelho e achou melhor poupar o esforço.

Corrida Contra o Cancer 2013 - Medalha

Corrida Contra o Cancer 2013 – Medalha

Particularmente, estou numa fase muito boa dos treinos. Consegui perder peso. De janeiro/13 para agora perdi 10 Kg. Além disso, tenho feito musculação regularmente (3x/semana) e treinos de corrida no mínimo três por semana também, além de treinos de spinning e outros esportes. Além disso, entrei numa competição com alguns amigos de quem consegue fazer a maior quilometragem no mês de agosto, usando o NikeRun (app da Nike) para registrar. Até o momento já fiz mais de 150 Km, o que é bem acima do que estava acostumado.

Com isso tudo o momento era perfeito para tentar um recorde pessoal nos 5K. Apesar de estar focado em volume de Km nesse mês, tenho treinado bastante velocidade e minha grande meta do momento é terminar 5K em tempo menor que 25 minutos (sub-25), o que para mim é muito muito rápido.

Corrida Contra o Cancer 2013 - Largada

Corrida Contra o Cancer 2013 – Largada

Fiz a retirada do kit no sábado no Hospital do Câncer, lá na Radial Leste. Bem longe para mim, mas correu tudo bem. Como sugestão sugiro fazer a entrega dos kits em mais dias, e não somente no sábado, o que dá mais tumulto. O kit era espartano, quase nenhum brinde, mas justificado pelo valor bem menor da inscrição do que se comparada as outras corridas em SP. Um detalhe importante é que a Yescom está usando os chips descartáveis. Você usa e não precisa devolver. Com isso, o chip vem junto no kit e não há necessidade daquela correria pra retirar o chip antes da largada. Muito bom.

Corrida Contra o Cancer 2013 - Tempo

Corrida Contra o Cancer 2013 – Tempo

Deixei tudo arrumadinho no dia anterior, dormi o mais cedo possível, e acordei a tempo de me alimentar e chegar com calma na arena. A organização estava bem estruturada e tudo funcionou direitinho. Fui direto pra largada e consegui ficar bem na frente, a poucos metros do portal da largada.

Corrida Contra o Cancer 2013 - Cronometragem

Corrida Contra o Cancer 2013 – Cronometragem

Tocou a corneta da largada e disparei. Poucos segundos depois já passei o portal e disparei o cronômetro. Dessa vez não queria perder o controle do tempo. Configurei o “virtual partner” do meu Garmin para um pace de 5’00″/Km.

Poucos metros depois estava muito ofegante. Percebi que me animei com a largada e acelerei demais. Olhando agora os dados do Garmim dá pra ver que com dois minutos de prova eu já estava a 90% da frequência máxima. Esse começo acelerado iria certamente me atrapalhar no fim.

Corrida Contra o Cancer 2013 - Percurso

Corrida Contra o Cancer 2013 – Percurso

Fechei o primeiro Km com 4’52″ e, portanto, dentro da minha meta. O problema é que estava cansado na parte cardio-respiratória. Reduzi um pouco e fiz o Km 2 em 4’57″, ainda na meta. Agora já tinha 11 segundos sobrando. Comecei a ver que talvez fosse possível fechar em 25 minutos.

O Km 3 foi justamente na passagem em frente ao lago do Ibirapuera e em frente ao ponto de chegada, sensação que nunca é muito agradável pois você eprcebe que está se afastando da chegada ao invés de se aproximar. O cansaço estava forte e naturalmente acabei reduzindo a velocidade para me preservar. Fechei o Km 3 em 5’19″. A situação tinha mudado. Agora já estava atrás da meta. O jeito era recuperar no último quilômetro. Questionei forte se ia conseguir ou não…

Corrida Contra o Cancer 2013 - Frequencia e Ritmo

Corrida Contra o Cancer 2013 – Frequencia e Ritmo

O Km 4 foi dureza porque já estava na parte do percurso que vai em direção a Av. 23 de Maio e a sensação é que o retorno não chegava nunca. Continuava cansado e tentando dar o máximo. A frequência cardíaca estava em 98%. Finalmente o retorno chegou e fechei o Km 4 em 5’24″. A situação tinha mudado. Agora já estava atrás da meta. O jeito era recuperar no último quilômetro.

Acelerei o que pude. A sensação de começar a ver que estava perto e que era só aguentar mais um pouco tomou conta de mim. Forcei e fiz o último Km em 4’36″ recuperando parte do prejuízo mas infelizmente concluindo acima dos 25 minutos. Mas foram apenas 10 segundos. Fechei em 25’10″ no meu cronômetro (ainda não sei o tempo oficial), mas foi um avanço fantástico. Consegui reduzir mais de 1’30″ o meu melhor tempo de 5K e isso em apenas 2 meses. Fiquei muito feliz e com a sensação ótima de que atingi um grande resultado. Valeu muito a pena ter participado da corrida.

Peguei a medalha e água, tirei algumas fotos e sai rapidamente da arena. Não tinha nada além de água e um lanche bem inapropriado (bolo de mel e torrone). Pessoal, uma frutinha vem bem, né?

Se você participou da corrida e está procurando suas fotos veja também estes sites :

Série Delta 2013 – Etapa Japão 5K: Resultado

Mais um post atrasado. Mas aí vai. A Etapa Japão da Série Delta ocorreu nos arredores do Museu do Ipiranga no dia 11 de agosto de 2013.

Medalha Série Delta 2013 - Japão

Medalha Série Delta 2013 – Japão

A temperatura estava bem baixa. Perto dos 12˚C. Chegamos no horário certo na arena e a retirada do chip e uso do guarda-volumes ocorreu sem problemas.

Série Delta 2013 Etapa Japão - Percurso

Série Delta 2013 Etapa Japão – Percurso

 

A Dani foi junto comigo. Estávamos animados para conseguir bater o recorde pessoal dela, que era exatamente nesse circuito. Apesar da variação de altitude nesse circuito de 5K da Série Delta conseguimos nas ultimas edições melhorar o tempo dela significativamente. A evolução da Dani nas provas de 5K é evidente. Os treinos de corrida, musculação e outras variações como spinning estavam dando resultado. A prova disso está nos tempos:

mar/12 – Walmart 5.2K: 39:54
abr/12 – Delta Inglaterra 5K: 36:40
jul/13 – Estações Inverno 5K: 33:44
dez/12 – Estações Verão 5K: 33:08
mar/13 – Estações Outono 5K: 32:44
mar/13 – Night Run 5K: 31:22
abr/13 – Delta India 5K: 30:40
jun/13 – Estações Inverno 5K: 31:03

Nosso grande objetivo agora era fazer uma prova de 5K com tempo sub-30 minutos. E nos planejamos para fazer isso na Série Delta Etapa Japão.

Série Delta 2013 Etapa Japão - Elevação e Frequencia

Série Delta 2013 Etapa Japão – Elevação e Frequencia

A parte complicada é que os percursos ali naquela região são cheios de  subidas e descidas e o asfalto das ruas está em péssimas condições com muitos buracos perigosos que podem causar lesões.

Dani e eu na Série Delta 2013 Etapa Japão

Dani e eu na Série Delta 2013 Etapa Japão

Conseguimos nos posicionar bem na frente na largada para evitar o tráfego excessivo no começo da prova. Largamos as 7h00 e já encaramos a subida da Av. Nazaré. Essa parte é bem complicada. Você está recém começando a prova e já fica sem fôlego. Com o frio parece que deu uma condensação nas narinas e ambos ficamos com dificuldade para respirar. Bem desagradável.

Série Delta 2013 Etapa Japão - Cronometragem

Série Delta 2013 Etapa Japão – Cronometragem

Concluímos o primeiro quilômetro em 6’08″. Péssimo tempo para tentar fechar em sub-30. Teríamos que recuperar os 8 segundos extras nos próximos quilômetros. Aceleramos e fechamos o Km 2 em 5’44″. Agora já estávamos no lucro. Altos e baixos no entorno do Museu do Ipiranga e fechamos o Km 3 em 5’49″. Fiquei animado. Fui orientando a Dani de que estávamos bem, mas ela estava no limite e não conseguia nem conversar direito. Fiquei quieto e fui conduzindo o ritmo para que concluíssemos com recorde pessoal pra ela.

Dani na Série Delta 2013 Etapa Japão

Dani na Série Delta 2013 Etapa Japão

O Km 4 tinha descidas e aceleramos para fechar em 5’29″. Agora já tínhamos 50″ na frente do tempo alvo. Era quase certo que conseguiríamos. Avisei que estava bom e fomos concentrados para a chegada em subida. O Km 5 foi em 5’08″ finalizando a prova em 28’20″ reduzindo o melhor tempo da Dani em 2 minutos e 20 segundos. Excelente! Ficamos super felizes e realizados.

Eu na Etapa Japão Série Delta 2013

Eu na Etapa Japão Série Delta 2013

A chegada correu sem nenhum problema. Recebemos a medalha, gatorade, toalha e frutas. Tudo certinho.

ficamos curtindo o ambiente histórico do palácio e dos monumentos ali por um tempinho.

Se você participou da corrida e está procurando suas fotos veja também estes sites :

Circuito das Estações – Etapa Inverno 5K 2013: Resultado

Pessoal, acabei não fazendo o post sobre essa corrida no dia. Antes tarde do que nunca, né? Então, ai vai um breve relato.

Medalha Circuito Estacoes 2013 Inverno

Medalha Circuito Estacoes 2013 Inverno

A Etapa Inverno do Circuito das Estações Adidas 2013 foi no dia 30/6/13 aqui em São Paulo, com largada e chegada em frente ao Estádio Pacaembu.

O clima estava típico de inverno. Temperatura pela casa dos 15 graus e o que estava pintando aconteceu mesmo: uma chuvinha chata e persistente. De leve, mas choveu a prova inteira. A espera antes da largada foi bem chata porque estava difícil não passar frio.

Kit do Circuito das Estações Inverno 2013

Kit do Circuito das Estações Inverno 2013

A grande novidade pra nós é que o irmão e a irmã da Dani correram junto com a gente. Foi uma corrida em família bem legal.

Circuito Estacoes 2013 Inverno 5K - Percurso

Circuito Estacoes 2013 Inverno 5K – Percurso

Dessa vez montamos uma estratégia diferente. A Dani estava preocupada com a lesão do joelho e eu por outro lado vinha treinando para melhorar minha velocidade. Acabamos combinando que cada um ia tentar o seu melhor tempo. Isso implicaria em não corrermos juntos.

Família preparada para correr o Circuito das Estações Inverno 2013

Família preparada para correr o Circuito das Estações Inverno 2013

Coloquei como meta bater o meu recorde pessoal de 5K, que até então era 29’51″ no Circuito do Sol em 2010, por sinal com percurso quase igual ao do Circuito das Estações, na região do Estádio Pacaembu. Minha meta era tentar fechar os 5K em 25 minutos, mas sabia que ia ser broca. A motivação era ultrapassar o cunhado, que sabia que ia correr forte e próximo dos 25 minutos.

Circuito Estacoes 2013 Inverno 5K - Cronometragem

Circuito Estacoes 2013 Inverno 5K – Cronometragem

Na largada me atrapalhei um pouco com os “gadgets” (iPhone e Garmin) e acabei não disparando na hora certa e ainda fiquei um pouco lento. Depois apertei o passo. Terminei o KM1 em exatos 5’00″, ou seja, exatamente no necessário para a minha meta. Continuei apertando o passo e o KM2 foi forte, fechando em 4’47″. Estava tudo indo bem. A chuva não atrapalhava. Mas a maldita subidinha da rua Marta e o pedaço do elevado ia me atrasar. De fato, fiz o KM3 em 5’46″ e já estava devendo mais de 30 segundos. De volta a Av. Pacaembu acelerei um pouco e conclui o KM4 em 5’17″. Agora já estava quase impossível. Estava a 102% da frequência cardíaca e sentindo o ritmo forte. Consegui fazer o último KM em 5’23″, fechando os 5K em 26’41″. Tempo abaixo da minha meta, mas excelente ainda porque acabou sendo o meu novo recorde pessoal em 5K. Reduzi mais de 3 minutos do meu melhor tempo de 5K. Fiquei muito satisfeito, sinal de que os últimos treinos estavam dando resultado e melhorando minha velocidade em provas curtas.

Dani no Circuito das Estações Inverno 2013

Dani no Circuito das Estações Inverno 2013

A Dani fez um tempo bom, apesar de não ser recorde pra ela, mas dada a situação do joelho foi um ótimo tempo. Ela terminou os 5K em 31’03″. O melhor tempo dela nesse circuito. Minha cunhada fechou em 33’18″ e o cunhado em 26’10″ (quase alcancei ele).

Dani e eu na chegada do Circuito das Estações Inverno 2013

Dani e eu na chegada do Circuito das Estações Inverno 2013

Nossa próxima prova será a Série Delta Etapa Japão em São Paulo no dia 11 de agosto de 2013.

Se você está procurando uma corrida para participar, não deixe de conferir o Calendário 2013 de Corridas de Rua de São Paulo aqui no PodCorrer.

Até a próxima.

Série Delta 2013 SP – Etapa Índia 5K: Resultado

Amigos Corredores,

Mais uma corridinha completa. Dessa vez foram os 5K da primeira etapa da Série Delta (www.seriedelta.com.br), cujo tema foi a Índia que aconteceu aqui em São Paulo no entorno do Museu do Ipiranga. A região é bem legal, os prédios históricos e a vegetação do parque dá um clima legal as corridas que ali se realizam. A parte complicada é que os percursos ali são cheios de  subidas e descidas e o asfalto das ruas está em péssimas condições com muitos buracos perigosos que podem causar lesões. Acho que a última vez que recapearam o asfalto dessas ruas provavelmente o Dom Pedro I ainda era vivo!

Medalha Serie Delta India 2013

Medalha Serie Delta India 2013

Fiz a retirada do kit no sábado na loja Mundo da Corrida. Estava super tranquilo. O kit, pra variar, é bem pobrinho. Não vem quase nada. A camiseta, apesar do design bem legal, tinha um tecido de baixa qualidade.

A expetativa para a corrida era baixa. Como eu corri a Meia Maratona da Corpore no domingo passado (14/03/13), ainda estou me recuperando do desgaste que o corpo enfrentou. Treinei bem menos nessa semana, fazendo 3 dias livres e muito pouco exercício aeróbio e na musculação fiquei focado em exercícios de maior carga e menos repetições. No sábado descansei totalmente.  A Dani se preparou bem durante a semana mas evitou correr, fazendo outros tipos de aeróbios e na musculação continuou treinando pesado.

Medalhas Serie Delta India

Medalhas Serie Delta India

Mas como o percurso da Série Delta é cheio de subidas, a nossa expectativa era fazer uma corrida tranquila mas sem possibilidade de baixar o recorde pessoal da Dani de 31’22″ nos 5K obtido na Night Run em Março/13. Ao contrário da Série Delta, o percurso da Night Run no Sambódromo de São Paulo foi totalmente plano.

Chegamos na arena as 7h20 e fomos rapidamente para a largada. Havia bastante gente, mas sem tumultos. A organização foi boa. A largada um pouco atribulada mas as avenidas ao redor do Parque da Independência são largas e ajudaram a fluir bem a corrida.

Largada Serie Delta India 2013

Largada Serie Delta India 2013

Confesso que não vi nenhuma placa de quilometragem, mas a Dani disse que havia. Configurei meu “pacer” para 6’16″/Km o que nos daria a idéia se bateríamos o recorde ou não. A subidinha do Km 1 com elevação de 32m pegou. Terminamos o Km 1 com 6’56″. No Km 2 continuou a subida chegando ao ponto mais alto do percurso mas chegou a descida e pequena subida de novo. Fechamos o Km 2 com 6’10″.

Percurso Serie Delta India 2013

Percurso Serie Delta India 2013

Na verdade só olhei o cronômetro no Km 3 e ai percebi que havia chance de um tempo bom. O Km 3 fechou com 6’06″. Eu estava me sentindo super bem, sem nenhuma dor nem cansaço. Conferi com a Dani várias vezes. Ela estava com dificuldade de respirar pois estava gripada, mas estava aguentando tranquilamente o ritmo.

Serie Delta India 2013 - Altimetria e Frequencia Cardiaca

Serie Delta India 2013 – Altimetria e Frequencia Cardiaca

Quando completamos o Km 4 com 5’50″ falamos e disse que tinhamos chances reais de um novo recorde pessoal nos 5K. Estavamos 2 segundos na frente do recorde. Era só fazer o último Km com um tempo de 6’18″ ou menos que teríamos o recorde. Dani estava bem e topou continuar no ritmo. O chato ia ser a subidinha dos últimos 400m com uma elevação de 25m. Seguimos forte e apertamos o ritmo gastando mais 5’38″ para fechar o Km 5 e totalizando os 30’40″ para completar os 5 Km da Série Delta Índia.

Medalha na Mão

Medalha na Mão

Recorde pessoal da Dani! Diminuimos 42 segundos desde a última prova. Ficamos muito felizes. O mais legal de tudo é que ela chegou totalmente inteira no final. Foi a melhor prova dela até agora. Sinal seguro de que o treinamento está dando certo. Ela está cada vez melhor condicionada e conseguindo evoluir sua performance muito bem.

Dani na Serie Delta India 2013

Dani na Serie Delta India 2013

Pensando que exatamente um ano atrás, nesse mesmo percurso na Série Delta Inglaterra a Dani levou 36’40″ para fazer os 5K. São 6 minutos de redução no tempo em um ano de treinamento. Excepcional! Eu que me cuide agora, porque na próxima prova vamos chegar perto ou melhorar o meu recorde pessoal (29’51″ no Circuito do Sol 2010). Falta muito pouco.

Pegamos a medalha e o lanche sem atropelos e ficamos curtindo o ambiente histórico do palácio e dos monumentos ali por um tempinho.

Como nas outras corridas da O2, recebi meu tempo oficial via SMS o que é bem legal e prático. Nessa prova o corredor também terá direito a baixar suas fotos gratuitamente no site MyRun.

Se você participou da corrida e está procurando suas fotos veja também estes sites :

 

 

 

 

XIV Meia Maratona Internacional Corpore 21K: Resultado

Amigos Corredores,

Hoje é um dia muito especial para mim. Consegui completar, novamente, uma Meia Maratona. Não fazia uma prova dessas desde 2009. Desde que comecei a correr no final de 2007, diria que 2009 foi o meu melhor ano. Aquele em que estava bem treinado e condicionado, onde fiz o maior número de provas, as corridas mais longas e meus melhores tempos.

 

Largada da Meia Maratona Corpore Netshoes 2013

Largada da Meia Maratona Corpore Netshoes 2013

Em 2009 acabei me lesionando (Tendinite do Calcâneo) e mesmo tendo voltado a correr no final de 2009, os anos seguintes não foram muito bons. Treinei pouco, corri pouco e não consegui manter a consistência necessária para fazer provas mais longas. (v. histórico das provas que corri).

Em 2013 comecei o ano praticando exercícios regularmente. Musculação, corrida e spinning pelo menos 5 vezes por semana, as vezes mais. Com o apoio da minha esposa e com a motivação dela para treinar me animei. Com a força dos treinadores da Reebok Sports Club acabei ficando bem motivado para tentar uma prova mais longa nesse ano.

Medalha Meia Maratona Corpore 2013

Medalha Meia Maratona Corpore 2013

Então coloquei a meta de fazer pelo menos uma Meia Maratona em 2013. Peguei uma planilha de treinos do app RunKeeper. Escolhi um treino de 16 semanas para completar uma Meia Maratona em menos que 2h30min. O treino foi montado pelo Jeff Gaudette e se vc usa o app RunKeeper fica bem fácil de usar o treino.

Comecei o treino no final de Jan/13 e terminaria somente no fim de Maio. Juntamente com o treinamento fiz uma dieta pesada pois cheguei no fim de janeiro com 113 Kg e precisava perder pelo menos uns 10 Kg. Fui fazendo o treino, seguindo direitinho as instruções e também a dieta. Hoje, 8 semanas depois estou com 103Kg e consegui fazer a Meia Maratona Corpore com tempo de 2h18m17s.

Meia Corpore 2013 - Percurso

Meia Corpore 2013 – Percurso

Acabei antecipando um pouco a prova porque descobri recentemente que estou com uma pedra na vesícula e vou ter que fazer uma cirurgia para extrair a própria. Farei a cirurgia em maio, então tive que antecipar um pouco meus planos. Depois de fazer os últimos treinos longos de domingo (17 e 16K) percebi que estava terminando em ótimas condições e resolvi me colocar o desafio de fazer os 21K da Corpore hoje. Se não conseguisse tudo bem, mas seria uma tentativa.

Bom, vamos a prova. A previsão do tempo ontem era boa. Prefiro mil vezes correr sem sol e de preferência com uma chuvinha leve. Tudo fica melhor. O calor judia muito, aumentando muito a desidratação. Estava bem preparado e durante a semana reduzi um pouco os treinos de corrida, foquei na musculação, fiz uns 2 treinos de spinning e no sábado descanso total. Na sexta e no sábado mudei bem a alimentação, aumentando os carboidratos. Até comi uma macarronada no almoço de sábado!

Eu na Meia Corpore 2013

Tudo preparado, acordei as 6h e fui para a USP de scooter. Estava bem de tempo, mas os caminhos estavam todos fechados. Acabei me perdendo para achar a entrada da USP pela Corifeu e cheguei na arena as 7h30 em ponto. Corri para a largada, mas deu tempo de tudo. A largada em ondas funcionou muito bem. Nenhum tumulto. Parabéns pela organização, Corpore! Tudo funcionou perfeitamente.

Apesar da afobação do medo de perder a largada, comecei a me acalmar logo nos primeiros metros. Fui checando mentalmente as partes do corpo e estava tudo excelente. Tinha comido uma fruta e um iogurte antes de sair de casa,  barriga tava leva, pernas descansadas, os pés ok, e aerobicamente tudo certinho.

 

Sem tumulto e na maior tranquilidade fui em direção ao Jockey Club, passagem subterrânea e pequena subidinha e a volta na frente do Jockey. Estava tudo tão tranquilo que nem percebi os Km passarem. Qdo vi já estava na ponte da Cidade Universitária no Km 5.

Minha meta era manter um pace média de 7’30″/Km, pois nos treinos longos estava mais lento que isso. Meu melhor tempo em Meia Maratona tinha sido na Meia do Rio em 2009 com 2h17m54s, e não esperava melhorar isso hoje, já que ainda estava na metade do meu plano de treino.

Medalha e Número de Peito

Medalha e Número de Peito – Meia Maratona Corpore 2013

Como sempre, a animação da largada e a turma a sua volta acaba fazendo você correr mais rápido. Quando fechei os 2K percebi que estava correndo a 6’30″/Km. Nesse momento tive um pane no cronômetro e tive que zerar tudo e começar de novo. Mas percebi que estava correndo mais rápido e estava me sentindo bem.

Resolvi seguir assim por mais uns quilômetros e ver se continuava bem. Estava bem determinado a fazer um corrida com final invertido, ou seja, correr a parte final mais rápido que a parte inicial. Meu treino estava todo montado para isso. Sempre é melhor começar mais lento e ir acelerando. Você se desgasta menos.

Nos Km 3 ao 8 mantive uma média de 6’40″/Km. Mas no Km 8 a vontade de um pips ficou complicada. Fiz uma pequena parada “técnica” e perdi uns 45 segundos nessa hora. A chuvinha estava firme, mas bem leve. O clima agradável e fresco. Sinceramente, até os 10K eu estava sobrando. A corrida estava super leve. Terminei a primeira hora de prova com a nítida sensação de que iria conseguir completar facilmente os 21K.

A parte do percurso próximo ao Parque Villa Lobos foi tranquila. Fui pegando um gole de água a cada estação de hidratação. Tinha esquecido de comprar um gel de carbo, então resolvi aproveitar bem o Gatorade lá pelo Km 10. Peguei dois copos, parei um pouco pra beber e segui viagem.

Meia Corpore 2013 - Cronometragem

Cronometragem

A entrada na USP novamente foi lá pelo Km 12. Foi ai que comecei a apertar o passo. Meio sem querer acabei usando um dupla que estava correndo ao meu lado desde lá perto do parque como pacer. Percebi que elas estavam correndo com facilidade e mantinham uma média de ritmo um pouco mais rápido do que era confortável para mim.

Coloquei como desafio chegar na frente delas. No Km 13 apertei o ritmo e comecei a ficar entre 6’10″ e 6’20″. Os Km  no retão da raia de remo da USP foram tranquilos, apesar da péssima sensação de passar do lado da chegada e já ver que um monte de gente tinha chegado e já estava relaxando – para mim ainda faltavam mais de 8K – argh!!. Isso é muito ruim.

 

Meia Maratona Corpore 2013 - Telemetria

Frequencia cardiaca, altitude e ritmo

Pior ainda foi ver que tinha que sair da USP e correr toda a Av. Politécnica até o fim e voltar. Essa foi a pior parte. Eu já não estava tão bem. Um leve desconforto na articulação do fêmur direito começou a dar sinais. Os dedos do pé esquerdo que já vinham machucados dos treinos começaram a doer.

Lá pelo Km 17 minha frequência cardíaca já tinha deixado a faixa dos 75% e agora não baixava mais dos 90%, nem com os truques de respiração lenta e suave. Bom, mas agora não dava pra relaxar. Baixei a cabeça e me determinei a não só terminar a prova mas tentar um tempo bom. Dificilmente terei outra chance em breve. O clima estava ótimo, o percurso plano e o treino bem feito. Era a hora. Acelerei. Me distanciei das “pacers” e comecei a ultrapassar bastante gente. Entrei na USP de novo, Km 19 completo. Agora era só mirar a placa dos 20 e fazer um sprintzinho no Km 21 e rasgar a fita! :-)

Meia Corpore - Km 18

Aqui começou a ficar dfícil

Fiz o Km 20 em 6’12″ e o Km 21 em 5’44″ aumentando bem a velocidade. Cruzei a linha de chegada com 2h18m17s, apenas 23 segundos a mais do que meu recorde pessoal de Meia Maratona. Só fiquei sabendo do tempo oficial em casa, mais tarde. Não importa não ter batido o recorde. Em 2009 fiz essa prova, a X Meia Maratona Corpore com percurso quase igual e levei 2h37m47s, ou seja, melhorei quase 20 minutos esse tempo.

IMG_0037_2

Tempo Líquido: 02:18:17
Classificação Geral: 3116/3522 (88%)
Classificação Faixa: 427/469 (91%)
Classificação Sexo: 2665/2939 (91%)
Ritmo: 06:33 min/km

Cheguei!! Medalha na mão!!

Completei a Meia Corpore 2013 em 2h18m17s

Fiquei muito (mas muito mesmo) feliz em completar essa prova. Foi uma demonstração de que com treino e dedicação dá pra voltar a forma. Senti claramente o efeito de estar mais leve e bem condicionado.

Agora pretendo manter o ritmo e o nível de treino para poder fazer algumas provas mais antes da cirurgia.

Se você participou da prova, veja aqui seu resultado. E não deixe de procurar também pelas suas fotos no sites abaixo.

Saiba mais sobre essa prova visitando o site da Corpore.

Até a próxima corrida, pessoal!

 

Circuito das Estações Adidas 5K – Outono 2013: Resultado

Amigos Corredores,

Acabamos de participar de mais uma prova do Circuito das Estações Adidas. Corremos a Etapa Outono aqui em São Paulo, com largada e chegada em frente ao Estádio Pacaembu.

Medalha Circuito das Estações 2013 Etapa Outono

Medalha Circuito das Estações 2013 Etapa Outono

Este ano tivemos algumas novidades. Acho que a melhor delas foi a modificação do percurso de 5K. Retiraram a perna final que tinha logo antes da chegada e acrescentaram uma subida ao elevado, com retorno menos de 300m após a subida. Outra boa medida foi interditar uma pista a mais na Av. Pacaembu, com isso a volta foi feita por pista diferente da ida, melhorando bem o fluxo e evitando congestionamentos. O fluxo dos corredores foi muito mais tranquilo, pelo menos na prova de 5K que participei.

Outra novidade legal é que os corredores poderão baixar suas fotos gratuitamente no site MyRun. Até a hora que fechei esse post as fotos ainda não estavam disponíveis, mas devem entrar em breve.

Chegamos um pouco atrasado na arena, por volta das 7h20. A largada dos 5K seria as 7h30 e dos 10K as 8h30. Acabamos largando bem no final, pouco tempo antes de fechar a largada. Isso atrapalhou um pouco, pois logo encontramos os caminhantes. Não tenho nada contra a turma que caminha, mas o que complica é que ficam caminhando em pelotão um do lado do outro, bloqueando completamente a pista. Pessoal, vamos ficar atentos pra evitar de bloquear a passagem!

A meta era tentar diminuir o tempo da última prova da Dani (33’08″) e estabelecer um novo recorde pessoal. Para isso regulei o pace alvo no meu Garmin para 6’30″/Km. E largamos.

Logo já encontramos um monte de caminhantes dificultando a passagem e foi quase impossível manter o ritmo. Fechamos o primeiro Km com 6’07 e o segundo em 6’18″. Chegamos na subida ao elevado e aí não teve jeito. Tivemos que caminhar porque estava lotado de gente caminhando. Fechamos o Km 3 em 7’10″, mas ainda estávamos com uma média boa para quebrar o recorde da Dani.

Numa das ultrapassagens a Dani pisou em falso e sentiu o joelho. Corremos mais um pouco mas ela começou a sentir dor e achou melhor caminhar um pouco. Fizemos o Km 4 em 6’37″ e pouco antes do final do Km 4 nos separamos. Dei uma aceleradinha e fiz o quilômetro final em 6’02″, fechando a prova em 32’44″. A Dani terminou a prova em 34’49″.

Há cerca de 3 semanas comecei um treino de 16 semanas para Meia Maratona. Estou seguindo treino direitinho para poder voltar a correr 21K provavelmente lá por junho ou julho. Enquanto isso devo fazer algumas provas pequenas para correr junto com a Dani e tentarmos melhorar o tempo de 5K dela e evoluir para provas de 10K.

Nossa próxima prova deve ser a Night Run no dia 23 de março.

Se você está procurando uma corrida para participar, não deixe de conferir o Calendário 2013 de Corridas de Rua de São Paulo aqui no PodCorrer.

Até a próxima.