Pergunte ao Treinador (#7) – Dores ao Correr

Mais uma edição da seção “Pergunte ao Treinador” do PodCorrer. Para ver todas as perguntas e respostas acesse o endereço: www.podcorrer.com/pergunte. Para enviar suas perguntas, use o formulário de contato, deixe comentários nas nossas páginas ou envie e-mail para o treinador Alberto Bailoni.

Pergunta #7 – 02/dezembro/09 – Vinícius
Olá, meu nome é Vinícius e tenho 18 anos. Eu tinha muitos problemas com as amígdalas e o septo nasal desviado, o que causava muito desconforto no corpo todo e dificuldade na respiração, o que sempre me atrapalhava para começar correr. Fiz a operação de ambos e agora estou muito melhor, achei seu blog e o guia para começar correr partindo do sedentarismo total (Treino para Começar a Correr), e resolvi segui-lo.

man_on_treadmill

Completei a primeira semana sem problemas, e no primeiro treino da segunda comecei a ter dores na canela, que pioraram no segundo, e quase não me deixaram completar o terceiro. Todos os outros músculos e respiração estão muito bem, este é o único incômodo. A dor pega toda a parte de dentro da canela e as vezes vai até o pé. Enquanto eu corria ela passava, mas durante as caminhadas ficava quase insuportável, e depois do treino quando os músculos esfriavam, mal conseguia andar. E ela persistia por algum tempo.

Uma amiga fisoterapeuta me passou todos os alongamentos para este exercício, e eu estou fazendo corretamente. E ela me disse que essa dor muito provavelmente decorre de pisada errada, que força apenas um lado da musculatura. Olhando a sola do meu tênis, o calcanhar está muito mais gasto na parte de dentro, e a parte da frente está gasta de forma homogênia. Pesquisei e vi que a sola não é um bom indicador, pois o pé toca o solo antes com a parte de fora, então ela costuma estar mais gasta normalmente, mas no meu caso é o contrário (a parte de dentro que está gasta).

Meu tênis é um Mizuno Wave Frontier 2, que se não me engano é indicado para pronação leve (pisada para dentro).

Meu último treino foi há quatro dias e as dores melhoraram e resolvi tentar correr. Fiz todos os alongamentos, caminhei para aquecer, depois mal cheguei a 50 metros e não aguentei continuar…

Pretendo consultar um ortopedista, mas isso só será possível no fim da semana. Eu já havia corrido antes em esteira, e nunca tive nenhum problema parecido.

Gostaria de saber se você já pode ir me dando algum conselho, se já teve ou conhece o problema, e posteriormente com o diagnóstico médico ajuda na escolha de um modelo de tênis, de que etapa voltar a treinar, etc.

Desculpe o texto longo e obrigado desde já.

Abraços, Vinícius.

Resposta do Treinador Alberto Bailloni Neto:
Ola,Vinícius. Depois da operação, acredito que está respirando muito melhor tanto em repouso como durante o exercício. No início do treinamento, é normal aparecerem algumas dores, na canela, panturrilha, pés… São dores de adaptação, pois seus músculos não estão acostumados com o exercício e aos poucos essas dores tem que ir desaparecendo. A dor que estava sentindo persistia pois o músculo ficava muito fatigado, também é normal. O ideal é pegar mais leves nos treinos e fazer um bom aquecimento e alongamento antes e depois. Concordo com sua amiga fisiotepeuta, quando ela fala que essa dor decorre de pisada errada. Verifique com ela se não está na hora de trocar seu tênis. Procure treinar na esteira, inicialmente, para vc fortalecer e adaptar a musculatura dos membros inferiores, pois na esteira não tem muito impacto e vc consegue correr numa velocidade adequada. Na rua, como tem obstáculos, aclive e declive, e também por ter muito impacto, é normal vc sentir essas dores.

Resumindo Vinícius, procure treinar na esteira, faça aquecimento e alongamento antes e depois; verifique se precisa trocar de tênis; vamos começar com mais tempo caminhando e menos tempo com trote leve. O ideal é procurar um profissional em treinamento para te orientar conforme seus objetivos e também para observar eventuais dores, ok?

Essas dicas e orientações são do colaborador do blog e treinador Alberto Bailoni Neto. Qualquer dúvida, pode entrar em contato com ele pelo email pessoal: albailoni@gmail.com

Bons treinos!!

Circuito das Estações SP 10K Etapa Primavera 2009 e Meia Maratona das Pontes – Resultados

Amigos Corredores,

Infelizmente não participei desta etapa do Circuito das Estações São Paulo. A etapa Primavera ocorreu hoje, 27 de setembro de 2009, aqui nas imediações do Estádio Pacaembu, como tradicionalmente acontece. Neste ano já havia participado da etapa Outono e da etapa Inverno, e estava muito confiante de conseguir participar das quatro edições e montar a mandala de medalhas. Infelizmente devido a lesão que sofri no tendão de Aquiles em agosto fiquei muito tempo sem treinar e seria prematuro participar de uma corrida agora. Na próxima estarei lá, espero!

Segundo a organização da prova foram quase 6 mil participantes nesta etapa paulistana do Circuito das Estações. O calor surpreendeu chegando a 28ºC e com o sol forte alguns corredores sentiram dificuldade, principalmente na parte do percurso que passa pelo Elevado.

Circuito das Estações Primavera SP 2009

Circuito das Estações Primavera SP 2009

Os vencedores da categoria masculina foram Ivanildo Pereira (31m03s), seguido por José Rodrigues dos Santos (31m08s) e por Rafael Santos (31m20s). Já o pódio feminino foi ocupado pela vencedora Flaviana Chung com 39m23s, Rosilene Silveira com 39m48s e Paloma Barbosa de Godoy com 40m26s.

Maratona das Pontes

Em outra parte da cidade, lá na Ponte Estaiada na Marginal do Rio Pinheiros ocorreu a primeira edição da Meia Maratona das Pontes com a participação de cerca de 2.500 pessoas. A chegada aconteceu na Cidade Universitária de São Paulo (USP). O primeiro atleta que cruzou a linha de chegada da Meia Maratona foi Marilson Gomes dos Santos no tempo de 1h04m34s.

O maratonista abriu quase três minutos de vantagem em cima do segundo colocado, João Marcos Fonseca, com 1h07m00s. Já a terceira posição foi para Marcos Elias (1h07m21s). O campeão decidiu correr a prova de última hora, já que seu foco principal para o fim do ano é o tricampeonato da Maratona de Nova York.

No feminino a vitória da Meia das Pontes foi para Sirlene Souza Pinho em 1h17m32s. A segunda colocação foi para Edielza Alves dos Santos no tempo de 1h20m47s. A terceira posição ficou com Roseirene Ferreira da Moraes em 1h24m36s.

Se você participou no Circuito das Estações ou na Meia Maratona das Pontes procure suas fotos nos sites abaixo:

  • www.webrun.com.br
  • www.sportclick.com.br
  • www.runnersp.com.br
  • www.midiasport.com.br
  • www.ativo.com
  • O Que Comer Antes de Correr pela Manhã?

    Muitos leitores aqui do PodCorrer tem questionado sobre a alimentação antes dos treinos de corrida, principalmente nas corridas matinais. O que comer antes dos treinos pela manhã? Você já deve ter percebido que se ingerir uma alimentação inadequada pode sentir falta de disposição para treinar ou desconforto estomacal. Por outro lado, se não comer nada sentirá falta de energia para os treinos mais longos.

    O fato é que se você for correr por uma hora ou mais é importantíssimo tomar o café da manhã para abastecer os reservatórios de energia do seu corpo. Praticar corrida por mais uma hora faz com que o seu corpo vá buscar energia nas reservas de glicogênio que seus músculos e fígado armazenam. Justamente pela manhã as suas reservas estão baixas, devido ao longo período sem alimentação durante o sono. Assim se você não se alimentar antes do treino matinal poderá ficar sem energias durante a corrida. Sabe-se, também, que comer carboidratos pode ajudar a aumentar a velocidade da sua corrida e melhorar o sprint no final do seu treino.

    Então, uma boa dia é alimentar-se com um café da manhã leve antes do treino. Monte sua refeição de forma que obtenha 50 a 80 gramas de carboidratos de fácil digestão aproximadamente uma hora antes de começar a correr. Isso pode ser obtido com 250 ml de bebida esportiva (ex.: Gatorade), frutas como banana, maça ou cereais.

    Circuito das Estações SP Adidas 10K – Etapa Inverno: Resultado

    Amigos Corredores,

    Consegui mais uma vez! Bati meu próprio recorde pessoal em corridas de 10K!! Estabeleci um novo PR em 10K, agora de 55 minutos e 54 segundos!

    Medalha Circuito Estações Inverno 09

    Medalha Circuito Estações Inverno 09

    A sensação ao cruzar a linha de chegada foi fabulosa. Não estava apenas concluíndo esta corrida, mas sim uma “maratona” de 7 competições em 6 finais de semana consecutivo. Foram 77 quilômetros rodados em provas de três cidades, em dois países. Foram 5 recordes pessoais batidos, e a constatação de que meus treinos finalmente estão dando resultado. Tudo isso me passava pela cabeça quando subia aqueles malditos 100 metros finais na Praça Charles Miller, rumo ao portal de chegada em frente a porta do estádio Pacaembu. Foi demais!

    Mandala Circuito das Estações

    Mandala Circuito das Estações

    Fiquei muito contente em ter participado da etapa Inverno do Circuito das Estações de São Paulo. Normalmente já gosto bastante de participar dessa prova. É muito bem organizada, o circuito é bom e de dificuldade moderada,  e o que mais atrai é o fato de ser realizada quatro vezes por ano no mesmo percurso. Assim, é ideal para tirar uma temperatura de como estão indo os treinos e, também, para estabelecer metas. Essa foi a minha quarta participação no circuito.

    Dessa vez a retirada dos kits foi um pouco turbulenta. Houve mais uma troca de local. Foi no Shopping Pátio Paulista, na Loja Bayard. A fila estava bastante grande quando fui na quinta-feira (9/7) à tarde.

    Circuito Estações Inverno 09 - Percurso

    Circuito Estações Inverno 09 - Percurso

    Acordei cedo no domingo e fui a pé para a arena, pois é perto da minha casa. Aproveitei e já fui num trote bem leve, aquecendo. O clima estava excelente para meu gosto. Prefiro correr com frio. O termômetro marcava 12ºC, mas parecia menos. Acho que o vento e a umidade estavam intensificando a sensação de frio. No sábado choveu quase o dia inteiro. Estava preparado para pegar uma chuvinha na corrida, o que não seria de todo ruim. Também tenho gostado de correr sob chuva.

    Enquanto corria para o estádio fui traçando a estratégia para a corrida. A primeira meta seria fazer o meu menor tempo do Circuito das Estações. Para isso precisaria fechar em menos de 57’08” (Inverno/08). A segunda meta (ambiciosa) era bater o recorde pessoal de 10K. Para isso precisaria fechar o percurso em menos de 56’15” (EcoRun/09 e Buenos Aires 10K). Achava essa última meta bem difícil, pois o percurso do Circuito das Estações SP não é plano. Tem muito mais subidas do que o da EcoRun, na USP. Mas não custava tentar. Configurei meu Garmin para um ritmo alvo de 5’36″/Km, assim poderia ir acompanhando como estava em relação as minhas metas.

    Circuito Estações Inverno 09 - Cronometragem

    Circuito Estações Inverno 09 - Cronometragem

    Na ida para o estádio já estava pensando que tudo estava ótimo para essa corrida. Sentia-me bem (bem ao contrário de quando corri a etapa Outono/09), os treinos estavam em dia, não estava cansado, havia dormido e me alimentado bem no dia anterior, corpo hidratado, e a sequência de várias provas nas últimas 6 semanas não estavam pesando. Pelo contrário, usei cada uma delas como treino. Sentia-me mais forte a cada prova.

    Executado o protocolo padrão (retirada do chip tranquila, passadinha na área VIP do Clube O2) lá fui eu para a largada. O céu estava nublado, mas nada de chuva ainda. Largada 8h00 em ponto. Uns 5 minutos depois iniciei a corrida.

    Circuito Estações Inverno 09 - Altimetria e Ritmo

    Circuito Estações Inverno 09 - Altimetria e Ritmo

    Poucos metros depois de cruzar a largada tive a grata surpresa de encontrar o Rogério Lagos do blog Corra, Galera, Corra. Foi muito legal, pois corremos uns três quilômetros lado a lado e deu para comentar um pouco sobre alguns fatos aqui do blog e sobre as experiências de corredor iniciantes como somos. Valeu, Rogério!

    Aproveitei a descida da Praça Charles Miller para começar forte. Agora já macaco velho nesse trajeto sabia que não dá para tirar o atraso nos últimos dois ou três quilômetros como costumo fazer. Nesse percurso o final é em subida. Parece leve, mas pega bem! Percorri os Km 1 e 2 em 5’25” e 5’24”. Logo depois já vem a subida da Rua Marta, que dá acesso ao elevado. São quase 30 metros de elevação. Mandei bala. Procurei forçar o ritmo, mas sem exagerar. Fechei o Km 3 em 6’00”. Fiquei preocupado.

    Circuito Estações Inverno 09 - Frequência Cardíaca

    Circuito Estações Inverno 09 - Frequência Cardíaca

    Chegando no elevado percebi que havia muita gente. O trajeto parecia bem congestionado. Duvidei se daria para fazer um bom tempo nessa perna de ida do elevado. Foquei e fui em frente. As subidinhas do elevado, como sempre, complicam um pouco. Fechei o Km 4 e 5 em 5’40” e 5’37”, respectivamente. Tempos bons para mim, mas acima do alvo. Ao completar a metade da prova estava apenas 5 segundos acima do meu tempo alvo. Foi ao fazer a meia volta no elevado, no Km 5 que percebi que havia chances reais de bater o meu recorde de 10K.

    Logo após o Km 5 peguei o Gatorade no terceiro posto de hidratação. Precisaria de todo carboidrato disponível. Havia passado direto nos dois postos de água para evitar o tumulto e não perder tempo. Agora era melhor não abusar. A propósito, como é difícil beber o copinho de Gatorade sem virar tudo e sem diminuir a velocidade!

    Apertei o passo e completei os Km 6 e 7, ainda nos altos e baixos do elevado, em 5’24” e 5’39”. Agora já tinha 14 segundos de vantagem. Aproveitei a descida da R. Marta e fiz o Km 8 em 5’10”. Agora era a hora da verdade. Nas outras vezes que participei senti dificuldade na Av. Pacaembu, nos últimos dois quilômetros. Dei um olhada no cronômetro e vi que a oportunidade estava lá. Fiz o Km 9 em 5’38 e finalmente o Km 10 em 5’24”, inclusive com um pequeno sprint na subidinha da Praça Charles Miller.

    Cruzei a linha de chegada no bico do corvo, mas feliz da vida! Olhei o cronômetro e lá estava o resultado do esforço. Meus primeiros 10K abaixo de 56 minutos. Na minha cronometragem o tempo havia sido de 55’52” mas no resultado oficial o tempo ficou em 55’54”. Excelente! Havia diminuído meu melhor tempo em 21 segundos! Nada mal. Nada mal, mesmo! Agora estou muito mais perto da minha meta #5, completar 10K abaixo de 55 minutos ainda neste ano. Minha classificação ficou assim:

    Tempo Líquido: 00:55:54
    Classificação Geral: 1970
    Classificação Faixa: 252
    Classificação Sexo: 1754
    Ritmo: 05:35 min/km

    Com orgulho da minha conquista fui apanhar minha medalha e comer os lanches. Então percebi a bobagem que fiz de não ter levado agasalho. Passei um frio danado e para completar a chuva começou bem quando estava saindo do estádio. Fui para casa abaixo de chuva e com frio.

    Os três primeiros colocados no masculino foram José Rodrigues dos Santos (30’28”); Rafael Santos de Novaes (31’19”) e Renílson Vitorino da Silva (32’16”). Já no feminino o pódio ficou assim: Elisabeth Esteves (37’21”) em primeiro, Simone Alves da Silva (34’16”) em segundo e Tatiele Roberta de Carvalho (36’28”) em terceiro.

    Como sempre, para obter as fotos das provas acesse um dos sites abaixo:

  • www.webrun.com.br
  • www.sportclick.com.br
  • www.runnersp.com.br
  • www.midiasport.com.br
  • Agora vou descansar um pouco das provas, voltando apenas em 2 de agosto nas 10 Milhas da Mizuno. Mas ficarei firme nos treinos.

    Até o próximo post, pessoal!

    Meia Maratona do Rio 2009: Resultado

    “O percurso mais lindo do mundo”. Esse é um dos atributos da Maratona do Rio citados nas peças de marketing da corrida. Devo dizer que não é exagero, não. Tenho certeza que essa foi a corrida com o percurso mais bonito e agradável de todas as corridas que já participei. Correr ao lado do mar por quase todo o percurso e estar cercado de toda beleza natural da Cidade Maravilhosa foi uma experiência incrível. Estou muito feliz de ter participado da Meia Maratona do Rio de Janeiro. Vou voltar nos próximos anos. Com certeza!

    Meia Maratona do Rio - Medalha

    Meia Maratona do Rio - Medalha

    Amigos corredores, como puderam acompanhar no Twitter do PodCorrer.com participei com sucesso da Meia Maratona do Rio, prova realizada simultaneamente com a Maratona Internacional do Rio de Janeiro, uma das 6 maratonas oficiais do Brasil. A prova foi um sucesso para mim pois obtive o meu melhor tempo em meias maratonas (2h17m54s). Foi um recorde pessoal que me deixou muito empolgado, pois diminui quase 7 minutos do meu melhor tempo. Deu tudo certo nessa corrida. Fechou com chave de ouro o mês de Junho que foi especial para mim, pois participei de 5 corridas:

    Tá bom, eu sei. Foi exagero, mas fiquei empolgado com algumas provas que queria participar e queria intensificar um pouco os treinos. E deu resultado, pois das cinco corridas obtive recordes pessoais em 4 delas! Outra coisa legal é que as provas tiveram perfis bem diferentes, de curtas (6K) até meia (21K).

    Voltando a meia do Rio, a “maratona” começou com a saída de São Paulo na sexta. Resolvi ir de carro e levei a família para a torcida. :-) Ficamos hospedados num hotel exatamente em frente a largada da Meia. Por sinal, sugiro aos corredores. A diária é razoável nessa época do ano e no dia da corrida é só descer e você tá na boca da largada. Trata-se do Tropical Barra Hotel, ali na Praia do Pepê.

    Meia Maratona do Rio - Percurso

    Meia Maratona do Rio - Percurso

    A largada ocorreu sem problemas as 7h30, conforme programado. O clima estava ótimo para correr. Na noite anterior choveu, mas amanheceu sem chuva com céu nublado. Meu maior receio era que saísse um sol forte. Mas até nisso essa corrida foi boa. A temperatura na largada era por volta dos 20ºC. Não tive informação sobre a umidade, mas obviamente era bem alta pela proximidade ao mar.

    Gostaria de destacar a organização da corrida. Ainda não sei qual a empresa que foi responsável, mas deixo aqui os meus parabéns. Tudo funcionou muito bem. Considerando a proporção desse evento, com mais de 15.000 inscritos, a chance de dar algo errado é muito grande. Creio que houve um esforço muito grande para acentuar a internacionalização dessa corrida e mostrar que o Rio sabe organizar eventos esportivos de nível internacional. O objetivo é fortalecer a candidatura do Rio como sede das Olimpíadas de 2016. A propósito, passe no site deles e dê seu apoio. Assim poderemos ter o prazer de assistir uma Maratona Olímpica em nosso país, sem dúvida o evento máximo das corridas de longa distância.

    Meia Maratona do Rio - Altimetria

    Meia Maratona do Rio - Altimetria

    Ainda sobre a qualidade da organização destaco o cuidado com o kit, a feira de entrega do kit (a Wellness 2009 ocorreu simultaneamente a entrega – faltou só mais divulgação da feira no site), hidratação bem planejada com distribuição de isotônicos e também de gel de carboidratos, música em vários pontos e até alguns detalhes que só vi em corridas estrangeiras: demarcação do caminho mínimo (aquela linha azul no asfalto), voluntários recebendo você na chegada e entregando a medalha pessoalmente, torcida ao longo do percurso e o tratamento diferenciado para as três provas dentro da maratona (family run, meia e maratona completa), cada uma com sua identidade visual, medalhas específicas, percursos separados e camisetas identificadas. Em resumo, muito capricho e muita dedicação na organização dessa corrida que além de tudo isso tem o percurso fabuloso pela orla da Cidade Maravilhosa. Não preciso dizer que virei fã! Em 2010 estarei lá!

    Bom, minhas metas para a Meia Maratona do Rio eram: completar a corrida e manter um ritmo médio inferior a 7 minutos/km. Não pensava forçar muito. A idéia era correr leve e apreciar a paisagem. Temia estar cansado, ou ser pego pelo sol forte e calor típicos do Rio de Janeiro. Então fui com a expectativa baixa. Completar a corrida sem lesões ou esforços exagerados já seria uma vitória.

    Meia Maratona do Rio - Ritmo

    Meia Maratona do Rio - Ritmo

    A largada foi tranquila e no Km 1 já estávamos numa pequena subida do viaduto que leva ao Túnel do Joá. Aqui um comentário. Não é legal correr em túneis. O ar é denso e pesado. O calor é forte. A sensação é claustrofóbica, apesar de eu não ter problemas com lugares fechados.

    Logo que saímos do túnel já deu pra sentir a grandiosidade da vista. Ao passar pela Via Elevada das Bandeiras a gente sentia que estava praticamente dentro do mar. As ondas forets batendo nas pedras e aquele marzão faziam você esquecer que estava fazendo um esforço físico. Muito legal. Ali pensei: “Essa é uma corrida que vou fazer mais vezes. Valeu a pena ter vindo”.

    Meia Maratona do Rio - Frequência

    Meia Maratona do Rio - Frequência

    Ja comentei aqui no blog, sempre quando corro fico observando os sinais do corpo. Se percebo algo errado vou tentando corrigir: respiração errada, ritmo errado, dores, cansaço, etc. Nessas horas você tem que ouvir o seu corpo. Já em São Conrado, lá pelo Km 5 comecei a sentir uma falta de energia esquisita. Comecei a pensar fortemente que teria que desistir pois estava desagradável correr. Algo estava errado. Conclui que estava sem “combustível”. Saquei um gel de carboidrato do bolso, e mandei pra dentro. Tomei uns 100 ml de isotônico que carregada comigo também. Uns 10 minutos depois o cenário mudou muito. Já me sentia muito bem. Acho que acertei no diagnóstico. Dali pra frente me senti ótimo na corrida. Fui me hidratando, e consumindo mais dois carbos.

    Dei uma conferida no cronômetro e vi que meus primeiros quilômetros estavam mais rápidos do que planejara. O ritmo médio dos primeiros 6 Km estava em 6’31″/Km. Bem abaixo do meu ritmo normal de meia maratona. E não estava forçando, não. Ai percebi que a corrida seria tranquila. Pensei novamente que a diferença de elevação do Rio para São Paulo estava me ajudando. Foi a mesma sensação que tive em Buenos Aires, duas semanas atrás.

    Meia Maratona do Rio - Cronometragem

    Meia Maratona do Rio - Cronometragem

    Resolvi administrar um pouco a velocidade e não me animar demais. Afinal, ainda faltavam 14 Km. Fiz um quilômetro mais lento (o 7 foi o único acima de 7’/km) e depois voltei em torno dos 6’30″/Km. Fui me distraindo com o percurso e aproveitando a vista. Ai passou São Conrado, pegamos a Av. Niemeyer, entramos no Leblon, depois Ipanema, cortamos pra Copacabana e finalmente chegamos na Av. Princesa Isabel. Acabara a vista pro mar. Mas agora já estávamos no Km 16. Era só concentrar mais um pouco e a chegada estava logo ali. O sol apareceu. O calor subiu. Mas ainda estava bem.

    Quando avistei a placa do Km 18 percebi que teria energia suficiente pra acabar sem nenhum problema. Resolvi apertar o ritmo. Fiquei surpreso em ver como estava inteiro ainda. Fiz os últimos 4 Km nos seguintes ritmos: 6’21”, 6’05”, 6’19” e um sprint em 5’26” no Km 21.

    Largada da Meia Maratona do Rio 2009

    Largada da Meia Maratona do Rio 2009

    Cruzei a chegada com 2h17m54s estabelecendo o meu melhor tempo em meia maratona. Essa foi a minha quinta corrida com percurso superior a 20 Km e minha terceira meia maratona. Fiquei muito satisfeito com o tempo e com a certeza que poderia até ter feito um tempo melhor se tivesse forçado mais. Tinha folga para isso, mas como não sabia o que viria pela frente, agi com precaução.

    Outra conclusão: a Maratona do Rio é um ótimo percurso para se considerar na hora de escolher a minha primeira maratona. Quem sabe ano que vem já estarei preparado para rodar os 42Km do Rio.

    Minha classificação ficou assim:

    Tempo Líquido: 02:17:54
    Classificação Geral: 2690/3298 (81%)
    Classificação Faixa: 478
    Ritmo: 06:32 min/km

    A dispersão após a chegada estava um pouco tumultuada. Esse é um dos pontos que a organização poderia trabalhar melhor no próximo ano. Creio que o espaço estava pequeno demais.

    Depois de pegar minha medalha e meu lanche, fui para a linha de chegada esperar os vencedores da maratona. Deu tempo certinho. Vi a chegada da Marizete Resende (2h42m46s) e depois do estreante na Maratona do Rio, o Marco Antonio Pereira (2h17m10s), fechando a dobradinha brasileira, derrotando os quenianos. Deu Brasil na cabeça.

    O pódim ficou assim:

    MARATONA:
    Masculino (1868 concluíntes):
    1. Marcos Antonio Pereira (2:17:10)
    2. Willy Kongogo Kimutai (2:17:22)
    3. Marcos Alexandre Elizalde (2:18:25)
    4. Cheruiyot Robert Kiprotich (2:19:09)
    5. Adriano Bastos (2:20:15)

    Feminino:
    1. Marizete Rezende (2:42:46)
    2. Idailda dos Santos (2:45:15)
    3. Conceição Maria Carvalho (2:47:01)
    4. Marluce Queiroz Ferreira (2:47:59)
    5. Elizabeth Esteves de Souza (2:52:14)

    MEIA-MARATONA
    Masculino:
    1. William Gomes (1:05:54)
    2. Emmanuel Ibett (1:05:57)
    3. José Paul Ávila (1:06:46)
    4. José Cicero Eloy (1:06:57)
    5.Edmilson Santana (1:07:04)

    Feminino:
    1. Edileuza Guimarães (1:16:31)
    2. Marcia Narloch (1:16:41)
    3. Ednah Mukhwana (1:19:21)
    4. Gisele Barros (1:20:44)
    5. Maria Jesus Lima (1:24:43)

    FAMILY RUN
    Masculino:
    1. Marcio Souza (17:39)
    2. Lourival Libano (17:48)
    3. Sandro Melo Souza (18:16)
    4. Amauri José dos Santos Junior (18:29)
    5. Marcos Antonio Quintanilha (18:40)

    Feminino:
    1- Maria Aparecida Angelo – 22min57
    2- Maria das Graças Moreira – 23min44
    3- Andrressa de Mesquita – 24min01
    4- Jessica Mello Kalbermatter – 25min12
    5- Ana Paula de Souza – 26min32


    Se você participou do evento e quer encontrar as suas fotos, eu vi essas empresas documentando o evento:

  • www.sportclick.com.br
  • www.midiasport.com.br
  • www.webrun.com.br
  • Minha próxima corrida é no domingo 5/julho/09 na 14ª Corrida Corpore Bombeiros 10K, onde pretendo diminuir o meu tempo do ano passado. O percurso é bem desafiador devido a subida da Av. Nazaré. Vamos ver. Até lá, amigos!

    Entrevista do Campeão Adriano Bastos Para o PodCorrer.com

    Amigos Corredores,

    Hoje tenho um post muito especial. Tenho certeza que todos vocês já participaram de pelo menos uma prova que tenha sido vencida pelo famoso Adriano Bastos. Pois bem, nosso campeão das maratonas deu uma entrevista exclusiva aqui para o PodCorrer.com, contando um pouco da sua carreira e dando algumas dicas para nós, corredores amadores iniciantes ou não. Aproveitem!

    Adriano é Hexa Campeão na Maratona da Disney

    Adriano é Hexa na Maratona da Disney

    Adriano, um ex-atleta de Triatlo que virou maratonista, já venceu inúmeras corridas de rua e conquistou muitos títulos, destacando-se o hexa campeonato na Maratona da Disney (2003/05/06/07/08/09), bi campeonato da Maratona de Santa Catarina (2008 e 2009), bi campeonato da Meia Maratona de Buenos Aires (2007 e 2008),  e foi tri campeão do Circuito Corpore (2005, 2006 e 2007). Acompanhe os resultados do Adriano no site oficial.

    Vamos a entrevista.

    PodCorrer: Adriano, antes de mais nada muito obrigado por colaborar com o PodCorrer.com através desta entrevista. Como sabe, um dos nossos principais objetivos é dar dicas e orientações aos corredores iniciantes. Que conselhos você daria para quem está começando agora?

    Adriano: Primeiramente que a pessoa procure uma assessoria esportiva ou um profissional de educação física que possa orientar este iniciante, nunca começar sozinho e sair inventando os próprios treinos, pois isto pode trazer sérios problemas à saúde e ao corpo. Respeite o limite do corpo, tenha paciência e espere que a melhora de performance venha com o tempo.

    Adriano Vence a Corrida Avon 2008

    Adriano Vence a Corrida Avon 2008

    PodCorrer: Desde quando você se interessou por corridas? Como você acabou se dedicando a este esporte? 

    Adriano: Comecei no atletismo quando tinha 12 anos de idade por incentivo de meus irmãos que já corriam. Certa vez eles foram participar de uma prova de 10 km e fui junto para assistir, chegando ao local descobrimos que ocorreria também uma corrida infantil de 3 km e que estavam fazendo inscrições na hora, então resolvi participar ficando em terceiro lugar sem nunca ter treinado antes. Empolguei-me e comecei a treinar, foram um ano e meio só correndo até eu conhecer o triathlon e perceber que era isto que eu queria. Pratiquei triathlon durante 8 anos onde obtive ótimos resultados, participei de 2 ironman e sempre tendo a corrida como meu ponto forte, tanto que eu sempre fazia a melhor corrida do geral, inclusive do profissional. Por este motivo no final de 1999 recebi o convite do Pão de Açúcar para integrar a equipe de atletismo deles, assim, em janeiro de 2000 eu assinei contrato com eles, abandonei completamente o triathlon e desde então tenho me dedicado somente ao atletismo como esporte, tendo a maratona como especialidade. No começo foi um pouco difícil por não estar acostumado a treinar só corrida todos os dias e também pela massa muscular que eu tinha devido a natação e o ciclismo. Com apenas 1 mês de treino especifico já fui o melhor brasileiro na maratona de Paris de 2000 com o tempo de 2h21min54seg., exatamente 7 minutos abaixo do meu melhor tempo em maratona quando praticava triathlon. Daí em diante os resultados foram aparecendo.

     

    Adriano na Corrida Avon 2008

    Adriano na Corrida Avon 2008

     

    PodCorrer: Como é a sua rotina de treinos? Você considera a musculação importante no treino de um corredor?

    Adriano: Treino sete dias por semana sendo ao todo 12 sessões de treinamento. De 2ª feira tenho um treino de ritmo pela manhã que varia entre 16 à 18km, às 3ª e 5ª feira pela manhã tenho treino de pista onde faço tiros de velocidade (400m, 600m, 1000m, 3000m, etc.) que variam a metragem de acordo com o objetivo. Ao todo, incluindo aquecimento, educativos, parte principal e desaquecimento estes treinos de pista dão em torno de 22 à 25km. De 4ª feira tenho apenas uma rodagem de 21km. Às 6ª feiras faço musculação pela manhã e corro mais 15km logo após. Aos sábados tenho um treino mais longo e único que varia de 25 à 30km e aos domingos uma rodagem leve de 10 à 12km. Quando participo de alguma prova no domingo, no sábado faço apenas uma rodagem leve de 40 minutos. Além destes treinos principais que acontecem sempre pela manhã, ao final da tarde, às 2ª, 3ª, 5ª e 6ª feira faço mais uma rodagem leve de 50 minutos que dá em torno de 12 a 13 km.

    Adriano: Quanto a musculação a resposta é sim. Considero a musculação como algo de extrema importância para quem corre, primeiramente por ser um trabalho complementar a corrida que ajudará na prevenção de lesões, pois deixa a musculatura mais tonificada, forte e preparada para aguentar a carga dos treinos de corridas, principalmente com relação à absorção de impacto e segundo porque, tendo uma musculatura mais forte e resistente, ou seja, mais eficiente e com menos risco de lesão,automaticamente a pessoa conseguirá atingir uma performance maior na corrida e explorar mais de seu potencial nos treinos e competições. 

    Adriano na Corrida GRAAC 2008

    Adriano na Corrida GRAAC 2008

    PodCorrer: Nós, corredores amadores, muitas vezes temos aquela aquela preguicinha de treinar e vamos faltando uns treinos. Você também sente isso? Como faz para manter a motivação? 

    Adriano: Sim, também sinto. E digo que não são poucas as vezes. Principalmente quando tenho que sair para rodar o segundo período de treino do dia, a preguiça é enorme. Mas coloco na cabeça que se eu não treinar os meus adversários estarão treinando e melhorando. Penso também naquele pódio ou a próxima prova que terei como grande objetivo e relembro toda a sensação de ser visto e reconhecido pelo público ao vencer uma prova. Já me imagino vencendo esta próxima e isto faz com que eu tenha força de vontade e motivação para seguir adiante e não pular nenhum treino. Literalmente, sou movido pelo reconhecimento do público, não tem sensação melhor do que vencer uma prova e todo mundo ficar sabendo e me parabenizando. Isto me leva para frente, além,  é claro, de todo o incentivo de minha esposa que me ajuda bastante o tempo todo, principalmente quando estou desanimado. 

    PodCorrer:  Você pratica outros esportes? Quais?

    Adriano:  De vez em quando ainda dou umas pedaladas, mas muito raramente. Neste ano, por exemplo, devo ter subido na bike apenas umas 10 vezes. Quando pedalo é mais pensando nesta modalidade como um complemento e fortalecimento muscular para a corrida. Normalmente faço isso no meu período de base. 

    PodCorrer: Você controla muito sua alimentação? Que tipo de dieta você leva?

    Adriano: Na verdade não sigo nenhum tipo de dieta. Como de tudo e a todo momento. Inclusive as consideradas porcarias. Apenas evito frituras, em casa fazemos tudo assado ou grelhado, nada de fritura. Também me preocupo bastante com a hidratação e o consumo diário de carboidratos e proteínas, fundamentais para quem tem uma atividade intensa como eu. Ou seja, consumo tudo o que é correto, mas não dispenso as porcarias como os salgadinhos, bolachas recheadas, refrigerantes, cerveja, hambúrguer, etc. Afinal, sou normal como qualquer outra pessoa, apenas tenho uma genética favorável para correr bem. 

    Adriano Vence a Reebok Night 10K 2008

    Adriano Vence a Reebok Night 10K 2008

    PodCorrer:  O que você curte fazer como lazer?

    Adriano: Gosto de ficar em casa vendo televisão e filmes com minha esposa, jogar video game, ir a bons restaurantes e churrascarias com minha esposa ou então curtir um cinema com ela. Também gosto de mexer no jardim de casa, pois adoro plantas. De vez em quando apenas dormir e simplesmente não fazer nada.

    PodCorrer: Você já participou de muitas provas no exterior onde o nível de qualidade de organização das provas costuma ser excepcional. Como você qualifica as organizações das provas brasileiras? Estamos no mesmo nível? O que falta? 

    Adriano: Sem dúvida, na maioria das provas estamos no mesmo nível ou muito melhor quando se trata de provas menores (até 10 Km e algumas meias). Agora com relação as maratonas, ainda falta muito para o Brasil se igualar as maratonas internacionais. Começando pelos kits. Aqui no Brasil são uma vergonha. A camiseta é muito vagabunga. Que cobrem mais, mas ofereçam algo com qualidade. Lá fora os kits vem recheados de brindes e as camisetas são de excelente qualidade. As feiras de esporte na entrega dos kits lá de fora também são espetaculares e gigantescas. Você não sabe nem para onde ir de tanta coisa que tem para ver e comprar. A recepção na chegada também tem uma diferença gigantesca. Enquanto aqui dão aos concluíntes apenas água e um saquinho ridículo com uma maça, uma banana, um sanduíche (este quando dão) e um isotônico ou suco. Lá fora após completar as maratonas você encontra pela frente uma área de dispersão enorme, com todo tipo de comida imaginável, barras de carboidrato, proteína e cereais de todos os tipos, salgadinhos, bolachas, bebidas de vários tipos (isotônicos, refrigerantes, água, energéticos e etc).  E mesmo com tudo isso a disposição dos concluíntes, cada um ainda recebe um belo kit lanche com um sanduíche que chega a ser uma refeição e mais uma bag para você ir colocando dentro tudo que quiser pegar. E não falta nada até o último colocado completar a prova. Ainda existem áreas para os atletas descansarem antes de seguirem o caminho de casa ou do hotel. Isto foi o que eu presenciei na Disney, Nova Iorque e Paris que são as maratonas internacionais que já disputei. Enquanto isso, aqui você nem precisa ser o último para encontrar água morna na chegada e isso se ainda tiver. Os postos de hidratação de nossas maratonas também são bem deficientes. em relação aos postos das maratonas internacionais. Enquanto aqui você tem um espaço enorme entre cada posto e conta com apenas dois postos de isotonico (quando tem). No exterior você tem postos a cada 3 km e cada setor de hidratação chega a ter mais de cem metros de extensão, ou seja, não tem como passar reto sem conseguir pegar pelo menos um copinho. 

     

    Adriano no Circuito das Estações 2008

    Adriano no Circuito das Estações 2008

    PodCorrer: Das provas que já participou qual ou quais são as mais insequecíveis? Qual foi a mais difícil?

    Adriano: Tenho três inesqueciveis. Todas muito importantes. Não dá para dizer qual delas foi mais emocionante. A primeira foi a edição de 2005 da Maratona da Disney. Foi muito importante e emocionante para mim pelo fato de ser minha primeira maratona após a lesão que tive em 2004. Fiquei seis meses sem treinar e cheguei a pensar que nunca mais voltaria a correr. Esta prova com certeza foi meu retorno e a volta por cima de tudo que eu havia passado em 2004. Já na edição de 2006, quando venci pela terceira vez teve também um sabor muito especial. Foi a primeira vez que eu vencia lá com minha esposa junto assistindo e me esperando na chegada. Havia ficado um vazio em 2004, quando viajei com ela para lá, como convidados, e não corri. Foi como se eu estivesse dando um presente para ela, cruzar a linha de chegada em primeiro com ela ali me vendo. Já a terceira emoção vivenciei quando venci a Maratona de Curitiba em 2006. Sete anos antes, em 1999, quando eu ainda praticava triatlo, eu participei da Maratona de Curitiba e na época fui o quarto colocado em minha faixa etária, com 2h31min. Neste dia, o primeiro colocado de minha faixa etária havia feito 2h26min. e o campeão geral da prova 2h22min. Eu via estes tempos deste atletas como algo inatingível, pois eu sabia o quanto eu havia sofrido para fazer as 2h31min. Perguntava para mim mesmo. “Será que um dia consigo correr para isso?”. Achava um aburdo o tempo do primeiro colocado de minha faixa etária. E exatamente 7 anos depois, lá estava eu vencendo a mesma prova e com o tempo de 2h19min. Foi uma sensação incrível estar ali naquele momento cruzando a linha de chegada.

     

    Adriano na Corrida WTC

    Adriano na Corrida WTC

     
    PodCorrer: Adriano, você já ganhou uma quantidade incrível de corridas e tem até um hexa-campeonato na Maratona da Disney. Quais são suas metas atuais? O que motiva os seus treinos hoje?

    Adriano:  Tenho três metas principais. A primeira é conseguir prolongar minha carreira ao máximo. Ou seja, minha vida útil como atleta profissional até os meus 45 anos. Isto significa que serão mais 14 anos como profissional pela frente. Por isso mantenho um nível de treinamento e performance sempre no mesmo patamar há uns 5 anos. Quero apenas prolongar isso o máximo possível sem correr o risco de me machucar seriamente tentando marcas ou índices absurdos que fujam de minha realidade física. Isso acontece com muito atleta bom. O cara põe na cabeça que quer se classificar para um mundial de qualquer jeito, ou coisa do tipo. Treina como um louco, faz 2h12min na maratona e depois disto some das corridas por causa de uma monte de lesão que passou a ter em função deste desgaste. A segunda grande meta é chegar  minha décima vitória consecutiva na Disney, já foram seis. E a terceira, é a que considero a mais ambiciosa e provavelmente será a mais importante de todas. Quero estrear na Ultramaratona de Conrades em 2014, no sentido subindo, com o objetivo de vencer a prova ou pelo menos chegar entre os 10 primeiros colocados. Se conseguir eu serei o primeiro brasileiro na história desta prova a conseguir isso.

    PodCorrer: Quais serão suas próximas competições agora?

    Adriano: Pensando nas mais importantes, vou correr agora no dia 24 de Maio a Maratona de Porto Alegre. Será minha terceira maratona no ano. Depois, dia 28 de Junho, participarei da Maratona do Rio. Em Setembro, volto para a Meia Maratona de Buenos Aires para tentar a terceira vitória consecutiva. Uma semana depois participarei da Maratona de Foz e em Novembro da Maratona de Curitiba. Entre cada uma destas participarei das provas menores da Corpore, Estações e outras mais. Serão ao todo 6 maratonas neste ano. Alguns acham que sou louco, mas estou me recuperando bem de cada uma delas e já estou fazendo isso pensando na Conrades, afinal faltam apenas 5 anos.

     

    Adriano Bastos na Maratona da Disney

    Adriano Bastos na Maratona da Disney

     

     

    PodCorrer: Você tem alguma superstição antes ou durante as corridas?

    Adriano: Sim, sempre acendo uma vela antes de dormir na noite véspera da prova, pedindo proteção e para que dê tudo certo na prova e que não me aconteça nada de ruim. Se a prova for a noite, acendo a vela à tarde antes de ir para a prova. Me sinto mais fortalecido e confiante. Outra coisa que para mim é como se fosse um amuleto e nunca corro sem, seja em competição ou em treinos, são os óculos. Sem eles me sinto pelado e incomodado.

    PodCorrer:  Você faz assessoria esportiva? Como os corredores podem lhe contactar para treinar com você?

    Adriano:  Sim, eu e minha esposa, que também é formada em Educação Física, montamos juntos nossa assessoria esportiva. Oferecemos treinos de corrida, caminhada, triatlo e condicionamento físico geral. Ela leva o meu nome e se chama Adriano Bastos Treinamento Esportivo. Agora, no mês de Junho, ela já completará 2 anos de existência. Estamos hoje com 90 alunos muito satisfeitos com nosso trabalho. Aos pouquinhos estamos crescendo na dose certa, de forma que possamos dar conta daquilo que oferecemos. Sabemos nome e sobrenome de todos os alunos e com certeza isso ja faz uma enorme diferença para o aluno que tem a segurança de saber que seu treinador está por dentro de tudo que está acontecendo com ele, seja com relação aos treinos ou sobre seus problemas pessoais, pois de certa forma nos tornamos um pouco psicólogos deles. Quem quiser nos contatar é só acessar nosso site  www.adrianobastos.com.br/assessoria/ ou o meu site pessoal www.adrianobastos.com.br. Se preferir, enviar e-mail direto para contato@adrianobastos.com.br.

    PodCorrer: Adriano, muito obrigado pela gentileza de responder as perguntas da entrevista. Desejo muita força nos treinos e sucesso cada vez maior nas competições. Estaremos torcendo por você nas provas.

     

    Siga os Corredores de Elite (III): Haile Gebrselassie

    Mais um artigo para a série de dicas dos melhores corredores do mundo que venho divulgando aqui no blog. Desta vez, compartilho com vocês algumas dicas do famoso Haile Gebrselassie, nada menos que o atual recordista mundial da Maratona.

    Haile GebrSelassie na Maratona de Dubai

    Haile Gebrselassie na Maratona de Dubai

    Haile é etíope, tem 35 anos, já conquistou duas medalhas de ouro em Olimpíadas e já estabeleceu 25 recordes mundiais em corridas de longa distância. O cara é uma máquina! Seu mais recente recorde foi estabelecido na Maratona de Berlim de 2008, fechando a prova com incríveis 2h03m59s. Gente, isso dá uma média de 2minutos e 56,5 segundos por quilômetro!! Recomendo que vejam o vídeo da chegada do Haile na Maratona de Berlim de 2008 aí abaixo. É impressionante a velocidade que ele termina a prova. Impressiona mais ainda a regularidade do atleta durante a prova. Se compararmos o tempo de cada um dos 42 Km percorridos por ele, o desvio máximo do seu ritmo médio foi de apenas 2%!!

    Vejamos o que Haile nos diz:

    1. Diversifique: Não corra sempre no mesmo percurso. O corpo necessita de variação para evoluir. Corra no asfalto, na academia, em trilhas no campo, subidas, descidas, etc.
    2. Planeje: Para ter motivação todos os dias, é importantíssimo estabelecer metas para você mesmo. Com a meta estabelecida você traçará os planos para atingi-la. E se não conseguir na primeira vez, tentará de novo e de novo até chegar no seu objetivo.
    3. Corra contra o relógio: Se você pretende quebrar um recorde, seja mundial ou o seu próprio, é melhor correr contra o relógio do que contra outros corredores. Preocupar-se com os outros provoca distração. Concentre-se somente na sua meta!

    Confira os demais artigos dessa série:

    1. Siga os Corredores de Elite I
    2. Dicas de Zoila Gomes